STOCK CAR  

COPA MONTANA

 

______________________

Stock Car

 

Veja alguns momentos da nossa trajetória abaixo:

Notícias

.Romera7.jpg
.Romera2.jpg

“RS RACING” DRIVE TO PERFORMANCE.

 

 DOMINGO, 10 JANEIRO 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

Em 2009, a equipe RS Racing, colocou no grid dois carros com os pilotos Leandro Romera e Renato Rattes no qual superaram expectativas. Mesmo com alguns problemas direcionados a Equipe, foi superada e o balanço foi positivo. A última etapa em São Paulo Leandro deu um Show, Se não fosse o Cambio poderia ter faturado a Pole, 6 colocado na prova e 10 pontos conquistados.

 

Fechamos 2009 superando expectativas ficamos na Décima Terceira colocação no campeonato participando apenas de 5 (cinco) Etapas. No Geral o saldo foi vitorioso.

 

Em 2010 será diferente! Segundo o chefe da equipe Rui Salles, “Trocamos praticamente a equipe toda, precisamos de pessoas confiaveis, honestas e comprometidas, formamos até o momento um time que acredito ser o ideal para disputar o titulo de 2010”. E ele estava certo, logo na primeira etapa, Leandro Romera, conquistou seus primeiros pontos e até 15 minutos antes do final da etapa de Curitiba a RS RACING era lider do campeonato com o 7 (setímo) lugar do piloto Italo e 8 (oitavo) do piloto Romera. “Com Italo e somando esforços com a Prata TX Sports, ajuda muito, afinal, o Italo é um piloto muito rápido”.

 

Agradecemos o apoio da Glandata, Grupo Candinho, Matic instrumentos Musicais, Jornal Oficina Brasil.

 

Texto: Imprensa RS Racing

dez_21.jpg

O retrospecto da RS RACING COPA VICAR 2009

 

BY WANESSA ARAUJO /  SEXTA-FEIRA, 18 DEZEMBRO 2009 /  PUBLISHED IN RS RACING

Copa Vicar 2009

(Rio de Janeiro 2009) Renato Rattes – Largou 25 chegou 21
(Campo Grande 2009) Renato Rattes- Largou em 23 chegou em 17
(Curitiba 2009) Renato Rattes –Largou em 23 chegou em 16

Estreia Leandro Romera – Largou 24 chegou 17
(Brasilia 2009) Renato Rattes – Largou 27 Problemas de Cambio
Leandro Romera – Largou 24 chegou em 15
(São Paulo 2009) Renato Rattes – Largou 22 Chegou 15
Leandro Romera – Largou 11 chegou em 6


Dentre as 26 equipes que participaram o ano todo de 2009 finalizamos o campeonato em 14.

 

Fonte: Imprensa RS Racing

SDC10557.JPG
SDC10556.JPG
SDC10541.JPG
SDC10545.JPG

Stock Car: Renato Rattes se despede da Copa Vicar já pensando na próxima temporada

 

Última corrida do ano foi disputada neste domingo no Autódromo de Interlagos (SP)

 

 06.12.2009  |   RS Racing 

 

São Paulo, 06 de dezembro de 2009 - A Stock Car se despediu da temporada 2009 neste domingo, em Interlagos (SP). O Autódromo preferido dos pilotos brasileiros foi palco das últimas provas da Copa Vicar (9ª etapa), Copa Nextel (12ª etapa), Pick-up Racing (8ª etapa) e Stock Jr. (11ª etapa). Renato Rattes, da Equipe RS Racing/Zuffo Motorsport fechou o ano já de olho na próxima temporada.


Após excelente largada, onde conquistou várias posições, Rattes finalizou a prova satisfeito com o resultado final da corrida. "Foi uma grande prova, consegui ultrapassar 10 carros na largada, porém, na quarta volta sofri um toque que acabou prejudicando o rendimento do carro. Perdi algumas posições, mas no geral o carro se comportou muito bem, e ao final da corrida conquistei 13 posições no total, em relação a largada. Com certeza vamos trabalhar muito, a equipe evoluiu bastante, e está de parabéns", afirmou Rattes, que já espera brigar pelo título em 2010.


A Copa Vicar é conhecida por ser uma das categorias mais disputadas da Stock Car, e na última corrida do ano não foi diferente. O circuito de 4.309 metros do Autódromo de Interlagos viu uma briga acirrada entre os 32 carros que largaram as 14h28 deste domingo. Rattes mais uma vez mostrou poder de recuperação, e cruzou a linha de chegada 16ª posição.

PRÓXIMA TEMPORADA


Para 2010 a Stock Car promete uma grande novidade com a junção das duas categorias de acesso à principal: Copa Vicar e Pick-up Racing. Segundo a organização a primeira etapa do calendário 2009 da Stock Car (Copa Nextel) será em 28 de março, e como já é tradição, tendo sua prova de abertura disputada no Autódromo de Interlagos, em São Paulo. Porém, ainda não há definição para as provas da Pick-up Racing.


Renato Rattes conta com o patrocínio de Radiex, Spaal Juntas e Retentores, Garma, SYL Pastilhas de Freio, Vox Filtros, AJE, Fortec, Natrielli, Fórmulla Auto Parts, Menzelub, ATEL, Portal Único Dono, Hotel Dunamys e Rastreadores Pamajhon Sat.

Resultado da 9ª etapa da Copa Vicar:


1º) 4 - Gustavo Sondermann (P3, SP), 23 voltas em 41:02.298 
2º) 69 - Tiago Gonçalves (P3 , SP), a 6.883
3º) 99 - Julio Campos (P3 , PR), a 19.876
4º) 10 - Felipe Lapenna (P3 , SP), a 20.508
5º) 14 - Diego Freitas (P3 , BA), a 23.349
6º) 43 - Cássio H de Melo (CA , SP), a 24.984
7º) 88 - Leandro Romera (CA , SP), a 25.513
8º) 90 - Eduardo Leite (P3 , SP), a 28.258
9º) 13 - André Bragantini (P3 , PR), a 30.598
10º) 17 - Eduardo Berlanda (P3 , SP), a 31.159
11º) 26 - Wellington Justino (CA , GO), a 31.330
12º) 62 - Renato Russo (P3 , SP), a 32.509
13º) 12 - Leonardo Vital (P3 , SP), a 46.178
14º) 44 - Daniel Pflaumer (CA , SP), a 1:03.871
15º) 9 - Cristiano Federico (P3 , SP), a 1:04.930
16º) 92 - Renato Rattes (CA , SP), a 1:14.373
17º) 73 - Sergio Jimenez (CA , SP), a 1:34.644
18º) 49 - Marcelo Cesquim ( , SP), a 1:39.673
19º) 1 - Andre Nicastro (CA , SP), a 1 volta
20º) 3 - Leonardo Medrado (P3 , RJ), a 1 volta
21º) 36 - Sergio Vida (P3 , PR), a 1 volta
22º) 31 - Italo Silveira (CA , MG), a 5 voltas
23º) 18 - Rodrigo Navarro (P3 , SP), a 6 voltas
24º) 11 - Pedro Boesel (CA , PR), a 9 voltas
25º) 28 - Galid Osman (P3 , SP), a 15 voltas
26º) 54 - Murillo Macedo (P3 , SP), a 16 voltas
27º) 23 - Marco Cozzi (CA , SP), a 16 voltas
28º) 16 - Afonso Bastos (P3 , SP), a 17 voltas
29º) 8 - Diogo Pachenki (CA , PR), a 20 voltas
30º) 98 - Marcelo Tomasoni (P3 , SP), a 20 voltas
31º) 21 - Lucas Finger (CA , SP), a 21 voltas

Melhor Volta: Gustavo Sondermann, 1:45.337 (147,26 km/h)
Fonte: Cronomap

Calendário da Stock Car 2010:

COPA NEXTEL 

1ª ETAPA - São Paulo/SP - 28/03
2ª ETAPA - Curitiba/PR - 11/04
3ª ETAPA - Santa Cruz do Sul/RS - 25/04
4ª ETAPA - Rio de Janeiro/RJ - 23/05
5ª ETAPA - a definir - 06/06
6ª ETAPA - Salvador/BA - 15/08
7ª ETAPA - Campo Grande/MS - 05/09
8ª ETAPA - São Paulo/SP - 19/09
9ª ETAPA - Londrina/PR - 10/10
10ª ETAPA - Porto Alegre/RS - 07/11
11ª ETAPA - Brasília/DF - 21/11
12ª ETAPA - Curitiba/PR - 05/12

Assessoria de Imprensa: 
SIG Comunicação
Texto: Silvana Grezzana / Luciana Gomes
E-mail: sig@sigcomunicacao.com.br
Fone: (11) 5016-6113 / 9972-6966
www.sigcomunicacao.com.br

A2EC1724.JPG
A2EC1622.JPG

Rattes usará sua experiência em Interlagos na última prova da Copa Vicar

 

Pilioto da RS Racing/Zuffo Motorsport conhece muito bem o circuito paulista e tentará uma boa colocação na corrida deste domingo

 05.12.2009  |   RS Racing 

 

São Paulo, 05 de dezembro de 2009 - Somente nesta temporada é a terceira prova da Stock Car, em Interlagos. Renato Rattes da Equipe RS Racing/Zuffo Motorsport usará de toda sua experiência no circuito para a 9ª e última etapa da Copa Vicar. Na manhã deste sábado foi realizado o treino classificatório para a corrida deste domingo, e Rattes largará na 29ª posição.

Rattes espera conseguir fazer uma prova sem acidentes, e buscar algumas posições durante a corrida a bordo de seu Chevrolet de número 92. "O resultado no treino classificatório não foi o esperado. Nos treinos para acertos a pista ficou entre molhada e seca, naquele ‘chove não molha’, por isso não conseguimos a receita ideal. Na tomada de tempos para a definição do grid houveram alguns contratempos que prejudicaram um pouco o tempo em alguns trechos. Mas, vamos revisar todo o equipamento para a corrida e tentar terminar a prova na zona de pontuação", ressaltou o piloto.

Além da Copa Vicar, o público que lotar o Autódromo de Interlagos neste domingo, poderá acompanhar de perto as emoções das quatro categorias da maior categoria do automobilismo nacional: Copa Nextel, Copa Vicar, Pick-up Racing, e Stock Jr. A Copa Vicar terá largada às 14h28 com duração de 40 minutos e transmissão ao vivo da RaceTV (www.racetv.com.br) e Speed Channel.

Renato Rattes conta com o patrocínio de Radiex, Spaal Juntas e Retentores, Garma, SYL Pastilhas de Freio, Vox Filtros, AJE, Fortec, Natrielli, Fórmulla Auto Parts, Menzelub, ATEL, Portal Único Dono, Hotel Dunamys e Rastreadores Pamajhon Sat.

Programação Oficial Stock Car - São Paulo (04 a 06/12): 

Domingo, 06/12
08h40 - 09h40: Visitação aos Boxes 
14h28: Largada (40 min.) 
15h08: Chegada 
15h10: Pódio 

Assessoria de Imprensa:
SIG Comunicação
Texto: Silvana Grezzana / Luciana Gomes
E-mail: sig@sigcomunicacao.com.br
Fone: (11) 5016-6113 / 9972-6966
www.sigcomunicacao.com.br

SDC10556.JPG

Rattes participa dos útlimos treinos da temporada da Copa Vicar em Interlagos

 

Neste sábado acontecem os treinos classificatórios às 10h15

 04.12.2009  |   RS Racing

 

São Paulo, 04 de dezembro de 2009 - Os pilotos da Copa Vicar Stock Car tiveram duas tomadas de treinos livres nesta sexta-feira no Autódromo de Interlagos (SP) e durante todo o dia o tempo ficou encoberto e garoa. Renato Rattes da RS Racing/Zuffo Motorsport, carro #92, usou os treinos para testar acertos para o treino classificatório que acontecerá neste sábado pela manhã. 

A equipe RS Racing/Zuffo Motorsport esteve focada nas modificações que foram estudadas durante o último mês. "Com as informações que colhemos nos treinos de hoje vamos fazer um estudo do melhor acerto para o classificatório. A expectativa é positiva e acredito numa boa colocação para o grid de largada de domingo", declarou Rattes.

O treino classificatório está marcado para este sábado, a partir das 10h15. No domingo, a largada para a 9ª e última etapa da Copa Vicar será às 14h28, com 40 minutos de duração. A Copa Vicar terá transmissão pela Race TV www.racetv.com.br e pelo canal Speed Channel.

Renato Rattes conta com o patrocínio de Radiex, Spaal Juntas e Retentores, Garma, SYL Pastilhas de Freio, Vox Filtros, AJE, Fortec, Natrielli, Fórmulla Auto Parts, ATEL, Menzelub, Portal Único Dono, Hotel Dunamys e Rastreadores Pamajhon Sat.

PROGRAMAÇÃO:

SÁBADO - 05 DE DEZEMBRO DE 2009
10:15 - 11:15 - Treino Classificatório - Copa Vicar
15:30 - 16:30 - Visitação aos Boxes (credenciados) 

DOMINGO - 06 DE DEZEMBRO DE 2009 
14:28 - Largada (40 min.) 
15:08 - Chegada 
15:10 - Pódio 

Assessoria de Imprensa:
SIG Comunicação
Texto: Silvana Grezzana / Luciana Gomes
E-mail: sig@sigcomunicacao.com.br
Fone: (11) 5016-6113 / 9972-6966
www.sigcomunicacao.com.br

74794_98909_rattes_vinicius_nunes.jpg

Renato Rattes espera fechar temporada da Copa Vicar com um bom resultado

 

Piloto da RS Racing/Zuffo Motorsport participa dos primeiros treinos livres nesta sexta-feira

 03.12.2009  |   RS Racing  

 

São Paulo, 03 de dezembro de 2009 - A Stock Car retorna ao Autódromo de Interlagos (SP) para o encerramento da temporada 2009. Após oito provas da Copa Vicar, a capital paulista recebe pela última vez a categoria, que fará junção em 2010 com a Pick-up Racing, juntamente com a Copa Nextel. Para Renato Rattes o objetivo é de concluir bem a prova, pois ele estará correndo em casa.

A equipe RS Racing/Zuffo Motorsport irá testar algumas modificações em São Paulo, que segundo Rattes foram estudadas durante o último mês. "A expectativa é de chegar entre os dez primeiros. Conheço bem a pista, e já me acostumei bastante com o carro e com a equipe", declarou Rattes.

Após uma temporada complicada, onde Rattes chegou a trocar de equipe três vezes, a pré-temporada fiz com a DCM Motorsport e iniciou 2009 na Action Power, porém, após um acidente na estrada os carros da equipe pegaram fogo, e Rattes se viu obrigado a procurar outra equipe, e acabou se encontrando na Zuffo Motorsport. "Foram equipes diferentes, com vários tipos de problemas na temporada, mas conseguimos terminar bem todas as etapas, e acredito que evolui bastante ao longo do ano", disse.

O piloto paulista espera que as mudanças da categoria para 2010 venham trazer somente coisas boas e aprendizado. "Em minha opinião, foi uma decisão radical (extinguir a Copa Vicar), no caso, unir as duas - Copa Vicar e Pick-up Racing - mas se for para o bem da categoria, vamos abraçar e torcer para que seja um sucesso", afirmou Rattes que já estuda propostas para a próxima temporada.

A programação oficial da Stock Car tem início nesta sexta-feira com os primeiros treinos livres. A Copa Vicar começa a acelerar a partir das 10h na primeira bateria. Já a partir das 15h05 as equipes voltam à pista para a segunda bateria do dia. Enquanto o treino classificatório está marcado para este sábado, a partir das 10h15. No domingo, a largada para a 9ª etapa da Copa Vicar será às 14h28, com 40 minutos de duração.

EXPOSIÇÕES

O Stock Car Show (carro bolha utilizado para eventos) do piloto Renato Rattes começou uma maratona de exposições no último dia 23 na cidade de São Vicente, litoral paulista. Como também, Rattes cumpre uma agenda de tardes de autógrafos, as duas primeiras foram no dia 21 na Loja Monumento, São Vicente/SP, e no dia 26, no Automotive Center Radiex em Suzano/SP, onde o carro ficou em exposição de 23/11 a 1/12. 

A programação continua, na Voli, na zona sul de São Paulo, (de 03/12 a 07/12), na Mercadocar, localizada na Barra Funda, (de 07/12 a 14/12), na Koga Koga, localizada na zona leste, (de 14/12/2009 a 19/12/2009). Assim como na Sans Club, e em algumas lojas de autopeças do ABC paulista, zona leste, zona norte e oeste de São Paulo, ainda sem datas definidas.

Renato Rattes conta com o patrocínio de Radiex, Spaal Juntas e Retentores, Garma, SYL Pastilhas de Freio, Vox Filtros, AJE, Fortec, Natrielli, Fórmulla Auto Parts, ATEL, Menzelub, Portal Único Dono, Hotel Dunamys e Rastreadores Pamajhon Sat.

SEXTA-FEIRA - 04 DE DEZEMBRO DE 2009 
10:00 - 10:45 - 1º Treino Livre - Copa Vicar (1º Grupo)
10:50 - 11:35 - 1º Treino Livre - Copa Vicar (2º Grupo)
15:05 - 16:05 - 2º Treino Livre - Copa Vicar

SÁBADO - 05 DE DEZEMBRO DE 2009
10:15 - 11:15 - Treino Classificatório - Copa Vicar
15:30 - 16:30 - Visitação aos Boxes (credenciados) 

DOMINGO - 06 DE DEZEMBRO DE 2009 
14:28 - Largada (40 min.) 
15:08 - Chegada 
15:10 - Pódio 

Assessoria de Imprensa:
SIG Comunicação
Texto: Silvana Grezzana / Luciana Gomes
E-mail: sig@sigcomunicacao.com.br
Fone: (11) 5016-6113 / 9972-6966
www.sigcomunicacao.com.br

74840_99071_rattes_vinicius_nunes.jpg

Após etapa de Curitiba, Equipe RS Racing/Zuffo Motorsport já foca em Brasília

 

BY WANESSA ARAUJO /  SEGUNDA-FEIRA, 26 OUTUBRO 2009 /  PUBLISHED IN RS RACING

Oitava e penúltima etapa da temporada será no próximo dia 08 de novembro

 

São Paulo, 26 de outubro de 2009 –

 

A sétima etapa da Copa Vicar/Stock Car foi um verdadeiro aprendizado pra a Equipe RS Racing/Zuffo Motorsport, mesmo com problemas comuns em qualquer corrida, o balanço foi positivo, já que os dois carros da equipe, pilotados por Renato Rattes e Leandro Romera – este estreante – concluíram a prova. O próximo desafio será dia 08 de novembro em Brasília.

 

Feliz com o retorno a Stock Car, Romera conta que um problema na parte elétrica de seu carro, dificultou seu rendimento na prova. “Após a falha, não houve muito que fazer. Vamos trocar por completo a parte elétrica, para não restar dúvida do funcionamento. Tive um dos carros mais rápidos na reta do circuito oval, o que mostra que ele está bem acertado. Para Brasília, vamos trocar o motor e resolver o que falta. Largamos bem lá atrás, e conquistamos 12 posições. Foi uma boa corrida, apesar do ritmo modesto por conta do defeito no equipamento, analisou Romera, que lamentou não ter conseguido pontuar.

 

Renato Rattes, também teve problemas em seu Chevrolet, mas ocasionado por conta de um toque durante a prova.”A corrida foi muito boa, nas primeiras voltas consegui ganhar algumas posições. Depois, tive um toque com o carro do Tiago Gonçalves, o que acabou desalinhando um pouco o carro, começou um problema na embreagem, e assim foi perdendo desempenho durante a prova. Mas consegui terminar a corrida, afirmou Rattes que já pensa na etapa de Brasília.

 

Segundo o chefe da equipe Rui Salles, o saldo da etapa de Curitiba foi positivo. “Foi um desafio muito grande, o Renato vem evoluindo a cada etapa, e isso é muito importante. Trouxemos o Leandro para ajudar no jogo de equipe e no desenvolvimento. O carro foi montado em 15 dias, e o objetivo era não quebrar, chegar com os dois carros inteiros, e disputar posições. Infelizmente a batida não permitiu que ele chegasse mais a frente. No geral foi bom, pois conseguimos que os dois carros chegassem bem, analisou Salles.

 

Agora, pilotos e equipe se preparam para a próxima etapa, que será disputada no próximo dia 08 de novembro, em Brasília. “Vamos desmontar e revisar os dois carros inteiros. Vamos verificar se houve algum desgaste do equipamento, para substituir, e em consequência disso, preparar o ânimo da equipe para começar tudo de novo”, afirmou o chefe da equipe RS Racing.

 

A equipe RS Racing/Zuffo Motorsport tem patrocínio da Glandata, Grupo Candinho, Bull Flex, Radiex e Hotel Dunamys.

 

Corrida – Sétima etapa Copa Vicar – Curitiba (PR)

 

1º) 2 – Rodrigo Sperafico (P3, PR), 45 voltas em 40:19.186 (média de – km/h)
2º) 17 – Eduardo Berlanda (P3 , SP), a 0.828
3º) 22 – Rafael Daniel (P3 , SP), a 3.440
4º) 99 – Julio Campos (P3 , PR), a 4.756
5º) 4 – Gustavo Sondermann (P3 , SP), a 5.540
6º) 8 – Diogo Pachenki (CA , PR), a 11.094
7º) 21 – Lucas Finger (CA , SP), a 15.301
8º) 43 – Cássio H de Melo (CA , SP), a 26.324
9º) 31 – Italo Silveira (CA , MG), a 27.644
10º) 90 – Eduardo Leite (P3 , SP), a 27.775
11º) 14 – Diego Freitas (P3 , BA), a 28.397
12º) 69 – Tiago Gonçalves (P3 , SP), a 33.975
13º) 98 – Marcelo Tomasoni (P3 , SP), a 35.127
14º) 12 – Leonardo Vital (P3 , SP), a 37.226
15º) 23 – Marco Cozzi (CA , SP), a 39.313
16º) 28 – Galid Osman (P3 , SP), a 44.112
17º) 62 – Renato Russo (P3 , SP), a 1 volta
18º) 88 – Leandro Romera (CA , SP), a 1 volta
19º) 92 – Renato Rattes (CA , SP), a 1 volta
20º) 44 – Daniel Pflaumer (CA , SP), a 7 voltas
21º) 73 – Sergio Jimenez (CA , SP), a 18 voltas
22º) 10 – Felipe Lapenna (P3 , SP), a 22 voltas
23º) 54 – Murillo Macedo (P3 , SP), a 26 voltas
24º) 18 – Rodrigo Navarro (P3 , SP), a 26 voltas
25º) 9 – Cristiano Federico (P3 , SP), a 32 voltas
26º) 36 – Sergio Vida (P3 , PR), a 34 voltas
27º) 13 – André Bragantini (P3 , PR), a 39 voltas
28º) 6 – Juliano Moro (CA , SP), a 40 voltas
29º) 16 – Afonso Bastos (P3 , SP), a 43 voltas

 

Melhor Volta: Eduardo Berlanda, 52.766 (173,97 km/h)

 

Fonte: Assessoria de Imprensa: SIG Comunicação

74724_98734_rr_vinicius_nunes.jpg

Renato Rattes participa de tarde de autógrafos em São Vicente

 

Haverá também exposição do Stock Car do piloto. Evento no litoral paulista será o primeiro de uma série

 19.11.2009  |   RS Racing  

 

São Paulo, 19 de novembro de 2009 –

 

Aproveitando a folga no calendário da Stock Car/Copa Vicar que tem sua última etapa apenas em 06 de dezembro, Renato Rattes com apoio de sua equipe a RS Racing/Zuffo Motorsport, e parceria com a Radiex, levará uma réplica do Stock Car para exposição em diversos pontos do Estado de São Paulo, começando pela loja Monumento, em São Vicente, no litoral paulista. Além da oportunidade de conferir de perto um carro de competição, os visitantes poderão participar de uma tarde de autógrafos com o piloto. 

Para Rattes o evento proporciona ao público geral que não tem a oportunidade de acompanhar de perto uma corrida da Stock Car, ter contato com um carro de competição. "É sempre importante este tipo de ação, grande parte do público não consegue ir até os autódromos. Eles fazem muitas perguntas sobre o carro, mecânica, suspensão, sobre as corridas, autódromos... além das campanhas de vendas que são feitas em cima desse tipo de ação, explicou o piloto. 

De acordo com o piloto do ABC paulista, a iniciativa de ter um carro show (boneca), réplica do original, já vinha sendo estudada há algum tempo. "A ideia surgiu logo no início da temporada, mas conseguimos finalizar apenas em outubro. Compramos um carro já pronto, e fizemos algumas adaptações em seu layout e pintura, disse. 

Assim como para Renato Rattes, para a Radiex a ação irá proporcionar maior exposição da marca, além de atrair mais clientes para as revendedoras da empresa. "Devemos presentear até o final do ano pelo menos cinco grandes clientes, com essas ações o objetivo principal é de criar uma festa nos pontos de vendas, e também divulgar o principal patrocínio da Radiex neste ano, que é o piloto Renato Rattes, da Copa Vicar, analisou Yudi Iwanaga, da Radiex.

O carro permanece em São Vicente até o próximo dia 23. Antes, porém, Rattes participa de tarde de autógrafos, marcada para o dia 21, a partir das 14h. Depois, o evento ainda será realizado na Automotive Center, em Suzano, (de 23/11 a 1/12), na Voli, na zona sul de São Paulo, (de 01/12 a 07/12), na Mercadocar, localizada na Barra Funda, (de 07/12 a 14/12), na Koga Koga, localizada na zona leste, (de 14/12/2009 a 19/12/2009). Assim como na Sans Club, e em algumas lojas de autopeças do ABC paulista, zona leste, zona norte e oeste de São Paulo, ainda sem datas definidas.

Renato Rattes conta com o patrocínio de Radiex, Spaal Juntas e Retentores, Garma, SYL Pastilhas de Freio, Vox Filtros, AJE, Fortec, Natrielli, Fórmulla Auto Parts, Menzelub, Portal Único Dono, Hotel Dunamys e Rastreadores Pamajhon Sat.


Assessoria de Imprensa:
SIG Comunicação
Texto: Silvana Grezzana / Luciana Gomes
E-mail: sig@sigcomunicacao.com.br
Fone: (11) 5016-6113 / 9972-6966
www.sigcomunicacao.com.br

Radiex terá dois carros na etapa de Curitiba

 

BY WANESSA ARAUJO /  QUARTA-FEIRA, 21 OUTUBRO 2009 /  PUBLISHED IN RS RACING

 

A pista do Autódromo Internacional de Curitiba receberá a Stock Car esta semana para mais uma etapa do calendário 2009 e a Radiex Produtos Automotivos estará presente novamente, mas desta vez com dois carros pela equipe RS Racing/Zuffo Motorsport. Um dos carros continua com o piloto patrocinado pela empresa oficialmente desde 2006 e o outro carro será pilotado por Leandro Romera, ambos pela Copa Vicar, categoria de acesso à principal, Copa Nextel.

 

Neste domingo (25), o piloto Rattes buscará repetir o resultado de 2007, quando venceu a prova disputada pela Stock Jr, desta vez na Copa Vicar, categoria de acesso à Nextel. A etapa de Curitiba marca também o início de um novo projeto da categoria, será a primeira Corrida Verde, onde a Stock Car busca a sustentabilidade, com ações como neutralização de carbono, reciclagem de resíduos e uma série de ações que visam a conscientização ambiental da sociedade.

 

A parceria da Radiex com os distribuidores regionais vem sendo de grande importância ao longo do ano de 2009. Os representantes do Estado do Paraná, Neuro Szimanski e de Santa Catarina, Sergio Lopes estão há mais de dois meses trabalhando com a Campanha Comercial Stock Car da Radiex (Kit Stock Car), para a sétima etapa de Curitiba.

 

Serão ao todo no dia do evento, 150 clientes com um equipe de mais de 20 pessoas na organização, que estarão presentes na arquicancada e área de HC´s, com direito à visitação de box.Com a proximidade do final da temporada, Rattes espera muita disputa na corrida deste domingo, que será disputada no anel externo do Autódromo. “Com certeza é um circuito bastante rápido, que eu conheço muito bem.

 

A Copa Vicar está sendo bastante competitiva, e com pilotos de alto nível. A disputa tem sido constante, mas eu espero brigar pelas primeiras posições”, afirmou o piloto.Rattes chega em Curitiba para os primeiros treinos livres de sexta-feira (23), com o carro totalmente revisado. “O Chevrolet foi totalmente revisado, e estará com algumas pequenas modificações, para tentar superar os adversários”, disse. Wanessa, diretora de produção da RS, explica que a equipe está preparada para mais este desafio em Curitiba, sendo que agora estará com dois carros no grid. “Tudo está ocorrendo bem para a nossa 1ª etapa com dois carros na Copa Vicar, é evidente que o trabalho é em dobro, mas o ânimo da equipe também dobrou, estamos todos entusiasmados com essa nossa estreia com os dois carros”, afirmou.

 

Segundo Wanessa, a equipe já sonhava com um segundo carro desde o início da temporada, porém, por questões de patrocínio só agora teve a oportunidade de concretizar.

 

Com a motivação redobrada, a expectativa é que a equipe RS Racing/Zuffo Motorsport obtenha sucesso em Curitiba. “Será excelente a equipe ter dois pilotos experientes no campeonato, pois aumenta as nossas chances de pontuação e preparação para a disputa do titulo de 2010, pois para este ano é impossível lutar pelo titulo. Tendo 2 pilotos experientes, a probabilidade de ser ter carro campeões em 2010 são grandes e esse será o nosso objetivo na próxima temporada”, finalizou Wanessa.

 

A sétima etapa da Copa Vicar terá largada às 13h (horário de Brasília), no Autódromo Internacional de Curitiba, neste domingo. A programação inclui ainda, a 9ª etapa da Copa Nextel, 6º etapa da Pick-up Racing, e 8ª etapa da Stock Jr.

 

Autor: Fonte: F-1 na Web

Campo Grande 2.jpg

Renato Rattes segue para a quinta etapa da Copa Vicar 2009

 

BY WANESSA ARAUJO /  QUINTA-FEIRA, 17 SETEMBRO 2009 /  PUBLISHED IN RS RACING

O piloto paulista Renato Rattes, vive momento de muita expectativa, para a disputa da quinta etapa da Copa Vicar – Stock Car, que tem início nesta sexta-feira (18) com os primeiros treinos livres para a corrida que acontece domingo (20). A largada está programada para as 12h58, no circuito misto contendo 12 curvas e extensão de 3.336 metros, a prova será em sentido anti-horário.

 

Para as cinco etapas restantes da temporada o piloto Renato Rattes se uniu à equipe RS Racing/Zuffo Motorsport, uma empresa brasileira de competições automobilísticas e eventos esportivos, que também marca sua volta ao circuito. Tradicional no meio, a RS é organizada pelo engenheiro e consagrado Rui Salles Lima Junior.

 

Para Rattes os primeiros treinos serão primordiais para definir a estratégia para o classificatório, sendo o carro e equipe novos. “Com o convite da RS vou poder continuar a temporada, tenho certeza que estou em boas mãos com excelentes profissionais, cheios de garra e vontade, carro novo, casa nova, bolha nova, agora com a Chevrolet. O objetivo é acertar o carro e partir para as primeiras posições no grid. O equipamento é zero, nunca foi para as pistas e com certeza conseguiremos um ótimo acerto”, diz o piloto que compete com o Stock Car 92.

 

Fonte: www.carrosecorridas.com.br

SDC10433.JPG

Entrevista com a Equipe RS Racing

 

Sandro Marcon, 37 anos, responsável pelo Marketing e Relacionamento da equipe

28.08.2009 

 

- Sandro, vocês estão voltando a competir na Stock Car, quais são os objetivos e as expectativas?
- O nosso retorno era para acontecer no início da temporada, porém, por conta da crise, ficou muito difícil conseguirmos patrocínio e piloto. Nosso objetivo neste final de temporada é conseguir uma boa colocação na Copa Vicar. Com um bom resultado, podemos brigar pelas duas vagas que obtém deliberação para disputar a categoria principal, a Copa Nextel Stock Car V8.

- Em 2007, vocês participaram com estrutura e carros próprios da Copa Nextel Stock Car, certo? Como foi o desempenho na temporada e qual piloto representava vocês?
- Sim, participamos. Nosso desempenho foi muito bom, tínhamos um bom piloto, um bom carro e um ótimo patrocínio, que era dos irmãos Sandy & Junior. A dupla chegou a colocar a capa de lançamento de um DVD no capô do nosso carro. Tínhamos também o patrocínio da Sony e da MTV. O nosso piloto, em 2007, foi o Aldo Piedade Junior, dono da escola de pilotagem ALPI, que fica localizada ao lado do Autódromo de Interlagos.

- O que mudou de 2007 para 2009 em termos de visão estratégica dentro da competição?
- As mudanças foram grandes em termos de estrutura. Há dois anos, éramos apenas uma equipe como outra qualquer, sem uma estrutura organizacional, ou seja, não era setorizada, não possuía áreas administrativas, de marketing e relacionamento, área jurídica e de gerenciamento de carreiras de pilotos. Tínhamos somente a área técnica e é sabido que não dá para manter uma equipe de Stock Car assim. Hoje temos nosso escritório, onde se encontra a administração financeira, de marketing e relacionamento, jurídico e de gerenciamento de carreira, de captação de novos recursos, além da área técnica, que fica em nossa oficina localizada próxima de Interlagos. 

- O que você espera da Copa Vicar?
- Como todo entusiasta do automobilismo brasileiro -- sempre fui da opinião que temos os melhores pilotos do mundo e isso é fácil de comprovar --, acredito muito no fortalecimento da categoria Copa Vicar, apesar da pouca visibilidade e atenção dada pelos meios de comunicação. Ela forma novos talentos a cada ano e muitos deles acabam correndo em outras categorias nacionais e internacionais e isso é muito bom para nós que fazemos parte dela.

- Nesse retorno, a postura será diferente? Vocês serão mais agressivos? Como será, Sandro? 
- Nossa postura será totalmente agressiva. Temos que recuperar o tempo que ficamos fora e também colocar nosso piloto no topo da lista. Existem pessoas (patrocinadores) que acreditam em nós e no Renato. Assumimos um compromisso e nos comprometemos com isso.

- Parece que você convocou uma turma de peso para formar sua equipe. Conte sobre eles? Quantos são e quem são?
- Realmente tivemos a preocupação na escolha dos nossos profissionais, tínhamos que ter o que de melhor há em relação a carros de competições, são pessoas extremamente competentes e com uma larga experiência em preparação. Contamos hoje com um corpo técnico de peso: o nosso chefe de mecânicos é nada mais que Luiz Pilon (ex-mecânico do Carlos Col, presidente da Stock Car – campeão Paulista e Brasileiro de Stock Car); do Paulo Gomes, em 79, na Stock Car, da equipe campeã do Rally dos Sertões em 2002 e 2003; da equipe campeã da Porsch Cup, em 2006, da equipe campeã das Mil Milhas em 2000, 2001, 2003 e 2005, entre outros títulos regionais e nacionais no automobilismo. A equipe conta também com o filho de Luiz Pilon, Jeferson Pilon, que praticamente nasceu dentro de um autódromo e hoje se tornou um dos grandes preparadores da competição, além de nossos mecânicos que tiveram suas experiências em equipes grandes de varias categorias.

 

 

- Porque apostam em Renato Rattes e quais são as expectativas em relação a ele? Como começou essa parceria?
- Bem, sou um pouco suspeito para falar do Renato, pois eu o conheço desde 2003 quando ele corria no Campeonato Paulista de Turismo N (ano em que foi Bi-Campeão). Desde então fizemos uma grande amizade, porém, minha participação direta no automobilismo não acontecia nesta época. Eu tinha o automobilismo como minha segunda opção profissional, diferente do que acontece hoje, no qual me dedico 100% de minha carreira profissional. Sempre achei o Renato um piloto espetacular, com uma dedicação e profissionalismo impressionante. Rattes sempre está treinando para aprimorar ainda mais suas técnicas de pilotagem. Por isso, eu mesmo fui procurá-lo e fiz a proposta para correr em nossa reestruturada equipe. O perfil dele se encaixa perfeitamente com o nosso e temos os mesmos objetivos. Será uma parceria de sucesso.

- O Zuffo Motorsports entra como parceiro? Me fale sobre ele? 
A Zuffo Motorsport, empresa de competições, é parceira da RS Racing desde a ultima etapa da Stock Car no ano de 2008. Seu fundador, José Antonio Fragoas Zuffo, é um entusiasta do meio e até possui uma coleção de carros campeões da Stock. Destaque para o carro do Ingo Hoffman, do Paulo Gomes e do Chico Serra, além de vários outros carros e motos de corridas e carros históricos. E o Zuffo sempre acreditou no trabalho e na idoneidade da Equipe RS Racing para ser seu parceiro no automobilismo. 

- E sobre o carro, quais são as novidades?
- Acreditamos que nosso carro será o mais bonito dentro da Copa Vicar, desenvolvemos um layout bem diferente dos utilizados pelas equipes. Fizemos ele com uma aparência muito próxima dos layouts da NASCAR, com faixas que vão desde o pára-choque dianteiro até a traseira do carro. Este carro é zero Km, por isso a aparência dele impressiona. Nesta sexta-feira vamos colocar os adesivos e polir para a apresentação.

 

- Para finalizar, vamos falar da RS. São mais de 10 anos no mercado, certo? Como se dá essa experiência? 
- A RS Racing é uma empresa de Competições Automobilísticas e Eventos Esportivos.
Com mais de 15 anos de existência, com passagens em diversas Categorias do Automobilismo Nacional e Internacional, seu retorno ao Automobilismo Brasileiro ocorreu em 2004, depois de alguns anos nos Estados Unidos. Em 2006, foi um dos responsáveis pela vinda da Equipe Norte Americana GP RACING para participar do campeonato Brasileiro de StockCar Light. Já em 2007, ajudou a RS a participar da COPA NEXTEL STOCKCAR com estrutura e carro próprios. 

Informações à imprensa: 
SIG Comunicação
Contato: Silvana Grezzana
sig@sigcomunicacao.com.br
(11) 5016-6113 / 9972-6966
www.sigcomunicacao.com.br

A2EC0276.JPG
A2EC0752.JPG
A2EC0822.JPG
A2EC0332.JPG
A2EC0738.JPG
SDC10431.JPG
A2EC0428.JPG

Festa de lançamento do carro de Renato Rattes e equipe RS Racing agitou Guarujá no final de semana

 

29/o8/2009 - RS Racing

Renato Rattes


O piloto apresentou a equipe e carro que vai estrear na Stock Car


São Paulo, SP, 01 de setembro de 2009 - Após dois meses longe das pistas, o piloto Renato Rattes retorna para a disputa da Copa Vicar, categoria de acesso da Copa Nextel, principal categoria da Stock Car. Volta totalmente repaginado. Equipe e carros novos fazem parte do planejamento para o paulista de Diadema se destacar no campeonato. O lançamento dessas novidades aconteceu com um almoço para mais de 300 pessoas entre imprensa, patrocinadores, amigos e familiares no dia 29 de agosto, no Guarujá, litoral Sul de São Paulo, na propriedade de um dos sócios da equipe RS Racing / Zuffo Motorsport, José Antônio Fragoas Zuffo.

Para as cinco etapas restantes da temporada o piloto se uniu à equipe RS Racing/Zuffo Motorsport, uma empresa brasileira de competições automobilísticas e eventos esportivos, que também marca sua volta ao circuito. Tradicional no meio, a RS é comandada pelo engenheiro e consagrado Rui Salles Lima Junior.

Na liderança da equipe o experiente Sandro Marcon, que selecionou um corpo técnico de peso, começando com o mecânico Luiz Pilon, o Luizão que já foi preparador do ex-piloto de Stock Car Carlos Col, atual dirigente da Vicar e, vários outros renomados pilotos.


Ao todo, serão oito profissionais para acompanhar o passo a passo de Rattes nas pistas. "Nossa postura para autuar neste ano será totalmente agressiva. Temos que recuperar o tempo que ficamos afastados e também colocar o nosso piloto no topo da lista”, afirma Sandro Marcon.

Desta união, surgiu um outro grande apoiador e incentivador, a Zuffo Motorsports, parceiro da RS desde 2008. Seu fundador, José Antonio Fragoas Zuffo é um entusiasta do automobilismo, tanto que possui uma coleção de carros campeões da Stock Car. Além disso, mantém na garagem modelos históricos de automóveis e motos. Quem esteve no lançamento da equipe pode conferir alguns de seus mais de 140 modelos da coleção e ouvir o ronco do novo projeto da equipe, um protótipo de 700 cavalos que entrará nas próximas disputdas das Mil Milhas Brasileiras.

O carro de Rattes ganhou aerodinâmica moderna, layout ousado que se aproxima dos da Nascar. O veículo entrará pela primeira vez para teste na pista de Jacarepaguá no Rio de Janeiro no dia 18 de setembro onde acontecerão os primeiros treinos para a 5ª etapa.


Renato competiu nas primeiras quatro etapas da Sock Car Copa Vicar 2009 com a equipe Action Power. Uma fatalidade ocorreu com a equipe após a etapa de São Paulo, em julho, onde houve um incêndio na carreta da equipe quando retornavam para sua sede em Curitiba queimando todos os carros e equipamentos.

Durante o lançamento Renato emocionado agradeceu a presença de todos. "É um grande projeto que vamos viabilizar a partir de agora. Tenho muita gratidão pelo esforço da equipe para a preparação do carro, da minha família, da minha noiva, dos amigos e patrocinados. tenho certeza que estou em boas mãos com excelentes profissionais, cheios de garra e vontade, carro novo, casa nova, bolha nova, agora com a Chevrolet. O objetivo é acertar o carro e partir para as primeiras posições no grid. O equipamento é zero, nunca foi para as pistas e com certeza conseguiremos um ótimo acerto”, disse Rattes.

Sobre o piloto: na Stock Car, Rattes faz sua terceira temporada. Começou na Stock Junior, em 2007. Engenheiro de formação, Renato, 37 anos, é empresário e amante declarado de fortes emoções. Nas horas de folga, pratica pára-quedismo, kart e corre maratonas. Descobriu o automobilismo em 2000 e não parou mais. Recorda com emoção, seu primeiro título, o de Campeão paulista de 2002 na categoria Marcas e Pilotos.

Histórico Renato Rattes – confira algumas conquistas como piloto:

- 500 Milhas da Granja Viana - 6º Lugar
- 1000 Milhas de Interlagos - Protótipo Audi / 2002 - 12º Lugar
- 1000 Milhas de Interlagos - Protótipo Audi / 2003 - 11º Lugar
- Campeonato Paulista de Velocidade na Terra 2001 - Rally - Campeão
- Campeonato Brasileiro de Velocidade na Terra 2002 - Rally - Vice Campeão
- 60 Milhas de Piracicaba 2002 - Rally - Campeão
- Campeonato Paulista Turismo N ( C ) - Interlagos - 2002 - Campeão
- Campeonato Paulista Turismo N - Interlagos - 2003 - Bi Campeão
- Campeonato Paulista Marcas e Pilotos - Interlagos - 2004 - Tri Campeão
- Campeonato Paulista Marcas e Pilotos - Interlagos - 2005 - 3º Colocado
- Campeonato Paulista Marcas e Pilotos - Interlagos - 2006 - Vice-Campeão
- Campeonato Brasileiro Stock Car Jr - 2007
- Campeonato Brasileiro Stock Car V-8 Chevrolet Vicar - 2008
- Campeonato Brasileiro Stock Car V-8 Vicar - 2009
- 60 Milhas de Velocidade de Piracicaba 2009 - campeão

Sobre a RS Racing: uma empresa brasileira de competições automobilísticas e eventos esportivos. Tradicional no circuito há 15 anos. A RS estreou na Stock Car, em 2007, na categoria Copa Nextel com estrutura e carros próprios. Volta depois de dois anos apostando em Renato Rattes.

Os Patrocinadores: ele conta com os patrocínios, da Radiex, Spaal Juntas e Retentores, Garma, SYL Pastilhas de Freio, Vox Filtros, AJE, Fortec, Natrielli, Fórmulla Auto Parts, Menzelub, Portal Único Dono, Hotel Dunamys e Rastreadores Pamajhon Sat.

Calendário segundo semestre Copa Vicar:

5ª. etapa – 20/09 - Rio de Janeiro (RJ)
6ª. etapa – 04/10 – Campo Grande (MS)
7ª. etapa – 25/10 – Curitiba (PR)
8ª. etapa – 08/11 – Brasília (DF)
9ª. etapa – 06/12 - São Paulo (SP

 
Renato Rattes e Rui Salles Lima Junior

 

Personalidades do automobilismo

 
Novo Stock Car - Copa Vicar

 

Equipe RS Racing/Zuffo Motorsport

 
Renato Rattes e José Antonio Fragoas Zuffo


Sig Comunicação
Contato: Silvana Grezzana
sig@sigcomunicacao.com.br
(11) 5016-6113/ 9972-6966
www.sigcomunicacao.com.br


Fotos: Vinícius Nunes/Sigcom

Pickup Miniatura Oficina Brasil.JPG

Sobre Jornal Oficina Brasil

 

BY WANESSA ARAUJO /  TERÇA-FEIRA, 26 MAIO 2009 /  PUBLISHED IN RS RACING

Fundado em 1989, o Grupo Germinal reúne unidades de negócios que operam ferramentas de Marketing Direto, BI e CRM que oferecem serviços com especialização no segmento automotivo e mensuração dos resultados dos investimentos dos clientes (ROI).

 

Sendo a maior comunidade de reparadores e varejistas do Aftermarket brasileiro.

 

TIRAGEM: 70 mil exemplares mensais CADERNO NACIONAL;

                   20 mil exemplares mensais CADERNO SUL;

                   30 mil exemplares mensais CADERNO SP;

 

PÚBLICO-ALVO: profissionais da reparação automotiva; oficinas mecânicas, centros automotivos, frotistas, distribuidores, varejistas de autopeças e fabricantes.

 

Fonte: Jornal Oficina Brasil

stock.gatas 014.jpg

Romera e Racequip/RS Racing já pensam na etapa carioca

 

BY WANESSA ARAUJO /  DOMINGO, 03 AGOSTO 2008 /  PUBLISHED IN RS RACING

A etapa de Interlagos (SP) válida pela 5ª etapa da Copa Vicar começou de forma promissora para Leandro Romera (TVA / Somarx / MRV Chicotes Automotivos / Jornal Oficina Brasil / Niely Cosméticos / Red Coil / Capasec. Largando em 12º, na largada o Mitsubishi 88 da Racequip/RS Racing já aparecia na 8ª colocação, escapando ileso do acidente entre os pilotos Serafim Júnior e Luiz Carreira Jr.

 

Na relargada Leandro não deixou Eduardo Berlanda escapar, mas na 7ª volta um toque com o piloto à sua frente na tentativa de assumir a 7ª colocação. Porém um toque na traseira do piloto causou sérios danos à estrutura do carro de Romera. “Estava com um carro muito bom para essa prova, mas o toque com o Berlanda desalinhou o carro todo, e a partir daí nosso rendimento caiu drasticamente”, explicou o piloto.

 

O piloto a partir desse toque não conseguiu evitar as ultrapassagens dos adversários, entrando no box na tentativa de um reparo em seu carro. Sem a possibilidade de tornar o carro competitivo novamente, Romera voltou à pista para ganhar experiência no desenvolvimento do carro, uma vez que já havia perdido 6 voltas em relação aos líderes.

 

“Infelizmente não havia mais nada a ser feito, então resolvemos voltar à pista para termos dados que nos ajude a evoluir no trabalho de acerto do carro. Agora já estamos pensando na prova do Rio de Janeiro, vamos trabalhar para ter um carro tão competitivo como tivemos aqui em São Paulo e também contar com um pouco mais de sorte”, finaliza o piloto Leandro Romera, que recebeu a confirmação para continuar na Racequip /RS Racing até o final da temporada.

 

A vitória na Copa Vicar ficou com o piloto de Santana do Parnaíba Fábio Carreira, aumentando a vantagem na liderança para 25 pontos em relação a Diogo Pachenki, o segundo colocado no campeonato que terminou a prova desse sábado em 8º lugar. Lico Kaesemodel em segundo lugar e Galid Osman em terceiro finalizaram o pódio.

 

A próxima etapa da Copa Vicar acontece no dia 31 de agosto no Autódromo de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro.

 

Confira o resultado final da etapa de Interlagos (SP):

 

1º) Fabio Carreira (ML, SP), 22 voltas em 41:43.828 (média de 136.30 km/h)

2º) Lico Kaesemodel (ML, PR), a 3.265

3º) Galid Osman (CA, SP), a 4.337

4º) Rafael Daniel (P3, SP), a 5.122

5º) André Nicastro (CA, SP), a 6.628

6º) Gustavo Sondermann (P3, SP), a 8.816

7º) Felipe Lapenna (P3, SP), a 14.023

8º) Diogo Pachenki (ML, PR), a 15.746

9º) Renato Russo (P3, SP), a 19.356

10º) Paulo Salustiano (P3, SP), a 19.650

11º) Cassio H de Mello (P3, SP), a 26.743

12º) Eduardo Berlanda (P3, SP), a 27.032

13º) Renato David (CH, SP), a 27.382

14º) Renato Rattes (CA, SP), a 33.649

15º) Daniel Landi (P3, SP), a 34.910

16º) Beto Giorgi (ML, SP), a 37.398

17º) Diego Freitas (ML, BA), a 38.183

18º) Murilo Macedo (P3, SP), a 44.235

19º) Jason Oliveira (P3, SP), a 47.320

20º) Cadú Pasetti (CA, SP), a 47.344

21º) Rodrigo Navarro (CA, SP), a 49.437

22º) Anderson Faria (CA, RJ), a 54.415

23º) Ronaldo Freitas (ML, CE), a 59.323

24º) Marcelo Tomassoni (P3, SP), a 59.775

25º) Afonso Bastos (P3, SC), a 1:02.710

26º) Thiago Gonçalves (P3, SP), a 1:29.823

27º) Thiago Medeiros (ML, SP), a 3 voltas

28º) Cristiano Federico (P3, SP), a 4 voltas

29º) Leandro Romera (ML, SP), a 6 voltas

30º) René Bauer (CA, SP), a 7 voltas

31º) Wellington Justino (ML, GO), a 8 voltas

32º) Eduardo Leite (CA, SP), a 17 voltas

 

Melhor Volta: Galid Osman, 1:45.145

 

Foto: André Lemes

SDC10563.JPG

RS Racing em parceria com a Oficina Brasil

 

BY IMPRENSA /  SÁBADO, 02 AGOSTO 2008 /  PUBLISHED IN RS RACING

A RS Racing em parceria com a Oficina Brasil, promoveram aos seus clientes uma promoção dos Dias dos Pais, no qual o participante deveria preencher o formulário e responder “Porque você levaria o seu pai na StockCar”?

 

Para 02 de agosto de 2.008.

 

O ganhador com direito a acompanhante, ganhou uma credencial para assistir a categoria StockCar direto do Box.

 

O ganhador da promoção foi o Sr. Luis acompanhado de seu filho, na foto acima junto com o piloto Leandro Romera.

 

Fonte: Jornal Oficina Brasil

Stock-Car-1979.jpg

Imagens: www.autoshowcollection.com.br

 

Bird-Clemente-anos-1960-Willys.jpg

Imagens: www.autoshowcollection.com.br

 

stock.jpg

Imagens: www.autoshowcollection.com.br

 

Divisão-3-1975.jpg

Imagens: www.autoshowcollection.com.br

Historia da StockCar

 

BY WANESSA ARAUJO /  DOMINGO, 27 JULHO 2008 /  PUBLISHED IN RS RACING

Stockcar carenado em 1989 (foto)

 

Entre 1973 e 1977, ocorreram homéricas batalhas na Divisão 1, em corridas de longa distância, protagonizadas pelo Chevrolet Opala e Ford Maverick. Entre 73 e 75 o Ford levou clara vantagem sobre o Opala, em 76 as coisas ficaram parelhas entre os dois modelos, e de 1977 em diante, a vantagem ficou com o Opala. Em 78, as provas já não eram de longa distância, pois estas haviam sido proibidas pelo governo federal, e os grids eram basicamente formados de Opala. Poucos eram os Mavericks, e certamente não ocupavam as primeiras posições. Ou seja, a Divisão 1 estava em vias de se tornar outra categoria monomarca, como tantas que dominavam o cenário brasileiro já naquela época.

 

Antes que se tornasse de fato uma monomarca, a GM deu a volta por cima, e criou a categoria “Stock Car” para a temporada de 1979. O nome foi um golpe de mestre: além de emular o nome da famosa categoria americana, desviava a atenção de que era uma  monomarca. Mas monomarca era, foi, e provavelmente, sempre será.

 

A Stockcar já começou bem. Com um calendário de quatorze corridas, recorde absoluto na época, teve um grupo de pilotos de primeira desde a temporada inicial: Ingo Hoffmann, que voltava ao Brasil, depois de competir 4 anos na Europa, com sucesso relativo; Paulo Melo Gomes, que também tinha experiência no exterior, e já era consagrado piloto de carros turismo; os irmãos Giaffone, entusiastas das corridas de D-1; Raul Boesel, estreante paranaense que prometia muito; Alencar Junior, goiano que já dera trabalho nas corridas de D-1, Reinaldo Campello, e muitos outros.

 

 

As corridas eram bem disputadas, e  logo a categoria se tornou popular com os patrocinadores, pois carros de turismo grandes têm mais área para colocação de adesivos do que os monopostos. O fã de automobilismo brasileiro sempre gostou de carros de grande cilindrada, haja visto o sucesso dos especiais da Gávea, das carreteiras e carros de mecânica continental, desde a década de 30. E com o iminente desaparecimento do Maverick e do Dodge Dart, o Opala seria o único carro de grande cilindrada produzido no Brasil na época.

 

A categoria também foi para frente por que a GM investiu bastante em premiação e promoção, e logo um bom público passou a frequentar as corridas de Stock Car, lembrando os bons tempos da Formula Super Ve.

 

O primeiro campeão da Stockcar foi Paulo Gomes, embora Affonso Giaffone Jr. tenha sido o piloto que ganhou mais provas nesse primeiro ano. Este último também teve o privilégio de vencer a primeira prova da categoria, realizada em Tarumã em 22/4/1979. Outros vitoriosos nesse primeiro ano foram Jose Giaffone, Alencar Junior e Raul Boesel, além de Paulão.O calendário de 14 corridas (nota: sem etapas duplas, em 14 datas diferentes!) incluiu uma rara prova em Fortaleza, autódromo geralmente excluído das competições nacionais.

 

O segundo ano da categoria continuou com um calendário robusto, embora a experiência de Fortaleza tenha sido posta de lado (até hoje). E foi o ano do primeiro campeonato ganho por Ingo Hoffmann, piloto que viria a dominar as corridas da categoria até recentemente. Os grids continuavam imensos, e diversos pilotos de outras eras do automobilismo, se contentavam em ser meros protagonistas desse novo momento do esporte motor  brasileiro. Nos próximos anos, pilotos do calibre de Wilson Fittipaldi Jr (que eventualmente ganhou corridas na categoria), Lian Duarte, Luis Pereira Bueno, Antonio Carlos Avallone, entre outros, vieram engrossar as fileiras da Stock-car.

 

 

Stock-car de Paulo Gomes, em 1984

 

O calendário de 1981 fora bem mais enxuto do que os dois primeiros anos: só oito provas, mas ainda um número razoável para os padrões da época, onde campeonatos de 6 provas ou menos eram a norma. O ano de 1981 foi um ano difícil para a economia brasileira, de certo tendo um impacto negativo no automobilismo, dependente de verbas publicitárias (e não prioritárias) das empresas. O campeonato foi bem equilibrado, e Affonso Giaffone Jr., que não ganhou nenhuma corrida, sagrou-se campeão, para desgosto dos cinco que ganharam provas.

 

O calendário teve uma recuperação numérica em 82, com 11 provas, embora cinco tenham sido realizadas em Interlagos e três no Rio. Mas não foi nem um paulista, nem um carioca, quem ganhou o título. O goiano Alencar Junior ganhou 4 corridas, todas na segunda metade de campeonato, e já surgiam nomes novos, por exemplo, o também goiano Marco Gracia, revelados na própria Stock car. E nesse ano, a Stockcar foi convidada a fazer duas provas de exibição no autódromo do Estoril, Portugal. Nessa época, o piloto português “Pequepê” já participava das competições da Stockcar.

 

 

Alencar Junior em 1982

 

Em 83 iniciou-se um breve período de domínio de Paulo Gomes na categoria. Paulo ganhou oito provas em 83 e 84, e os dois campeonatos. Nesse ano também surgia um novo nome entre o rol de vencedores, Fabio Sotto Mayor, já veterano em corridas turismo, que viria a ter um impacto importante na categoria.

 

Nos primeiros 6 anos da Stock-cars, Paulo Gomes aparecia como o papão da categoria. Ganhou metade dos campeonatos, e muitas corridas. Outros pilotos se destacavam, inclusive Ingo Hoffman, que nessa fase inicial havia ganho um único campeonato, o de 1980. Foi a partir de1985 que Ingo passou a dominar a categoria, ganhando o campeonato e 5 das oito provas. E embora Marco Gracia tenha levado o caneco em1986, foi Ingo quem venceu mais corridas naquele ano, 3.

 

Em 87, a história foi a mesma de 86: o campeão foi Zeca Giaffone, sem vitórias, e Ingo ganhou três provas. Esse ano foi importante para a Stockcars pois a GM havia retirado seu apoio no final de 1986, e ainda assim a categoria sobreviveu. Para não dar moleza à GM, os carros permaneceram com a mecânica Opala, mas ganharam uma feiosa carenagem de fiberglass, fabricada pela Caio/Hidroplas, que descaracterizava os carros como Opalas. Saiba mais. Nada mais justo que Zeca Giaffone, um dos que mais contribuiram para a sobrevivência da categoria, tivesse ganho o campeonato.

 

O ano de 1988 foi indubitavelmente de Fabio Sotto Mayor, que levou 6 das 9 corridas. Um fato negativo foi que somente uma prova foi realizada fora de Interlagos. Além de monomarca, a categoria parecia se tornar mono-autódromo.  Do lado positivo, Chico Serra, outro ex piloto de F-1, começava a sua longa carreira de vitórias na Stock-Cars.

 

A locomotiva Ingo Hoffman deslanchou em 1989. Dessa vez Ingo ganhara o campeonato, mas não o maior número de provas. Chico Serra ganhara cinco das onze provas, e mais importante, o calendário voltara a ter aparência de campeonato verdadeiramente nacional.

 

O campeonato de 1990 começou em agosto, ou seja, quase não houve. Esse foi o ano do Plano Collor, que arruinou muitas vidas no Brasil, inclusive o automobilismo. Apesar dos pesares, ocorreu o campeonato, e Ingo levou quatro corridas e a taça. A carenagem Caio/Hidroplas fora abandonada, e uma outra, denominada Protótipo Opala, foi adotada até 1993.

 

 

Nova carenagem do Opala

 

A partir de 1991, e durante os próximos três anos, Ingo resolvera compartilhar a sua glória com Angelo Giombelli. Foram três campeonatos seguidos, treze vitórias em vinte e seis corridas, ou seja, um aproveitamento de 50% em corridas, e 100% em campeonatos. Se o domínio de Ingo trazia um certo tédio à categoria, foi nesse período que surgiram diversos novos vencedores na stock, além do próprio Giombelli: Adalberto Jardim, Wilson Fittipaldi Jr, Roberto Amaral, Paulo de Tarso Marques, Leandro de Almeida e Luiz Fernando Baptista. Outro fato importante foi a criação da Stock Light, para pilotos estreantes.  

 

 

Ingo e Giombelli em 1991

 

A dupla Ingo e Giombelli foi desfeita em 1994, e quem continuou ganhando foi obviamente Ingo. Mais importante, o Opala foi finalmente abandonado, e adotado o Chevrolet Omega. Paulo Gomes também voltou a conhecer o gosto da vitória, e um dos vencedores das 11 provas foi Djalma Fogaça, que voltava da Europa, onde obteve certo sucesso na Formula Opel.

 

Paulo Gomes já dava mostra do seu potencial renovado em 1994, e em 95, não só ganhou o campeonato, como cinco provas. Ingo não ganhou nenhuma corrida nesse ano, fato raro. E também houve dois novos vencedores, Xandy Negrão, um já veterano das épocas da Divisão 1 e Carlos Alves.

 

 

Paulo Gomes em 95. Foto Sergio Sanderson

 

Em 1996 iniciou-se outro período de hegemonia de Ingo Hoffmann. Embora Paulo Gomes tenha voltado a ser um grande adversário, Ingo ganhou 14 etapas nos próximos três anos, vencendo três campeonatos seguidos. É bem verdade que Paulo Gomes levou 11 corridas nesse período, e outros pilotos brilharam, especialmente Xandy Negrão. O ano de 1998 contou com uma novidade, importada dos campeonatos europeus de turismo: cada etapa passou a contar com duas baterias, e cada bateria contava como uma corrida independente. Assim que o inflado calendário de 1998 contou com vinte corridas, mas realizadas em dez datas diferentes. O autódromo de Londrina também passou a sediar corridas da Stock car. Ingo ganhou 7 provas, empatando com Paulo Gomes em número de vitórias.

 

O último ano do milênio não trouxe muitas novidades, exceto um campeão novo, Chico Serra. O calendário continuou inflado, mas os vencedores ainda eram os mesmos: Serra, Ingo, Paulão, Jardim e Xandy. Em termos numéricos, foi Chico Serra o maior vencedor ao ano, 7 corridas.

 

Em 2000, grande novidade: o Omega foi substituído pelo Vectra. Além disso, somente as corridas de Goiânia e do Rio em julho e de Interlagos em novembro foram etapas duplas. As outras corridas voltaram a ser baterias únicas. Chico Serra continuou a mostrar sua classe, ganhando as primeiras quatro etapas do ano, em quatro estados diferentes, e ganhando mais duas corridas, sagrando-se campeão.

 

2001 foi um ano importante, não por que Chico Serra ganhou mais um título, mas por que parecia estar havendo uma mudança da guarda na Stock car. Os pilotos mais experientes, como Paulão e Ingo, ganhavam com menos frequência, e começavam a despontar pilotos como Nonô Figueiredo e Beto Giorgi, que pareeciam ter chegado para ficar. A primeira prova do ano foi realizada no circuito oval do autódromo de Curitiba, e mais duas provas foram realizadas em ovais, em Brasilia e Rio. Mas Ingo provou que ganhava também em ovais!!

 

 

2001 foi do ex-piloto de F1 Chico Serra. Foto Sergio Sanderson

 

Ingo voltou a sagrar-se campeão em 2002, seu primeiro campeonato do novo milênio, mas o maior vencedor de corridas foi de novo Chico Serra, com quatro provas. E surgia um outro nome no rol dos vencedores, Cacá Bueno, que definitivamente fará parte do futuro da Stock car nos próximos anos. O autódromo de Campo Grande também passou a figurar no campeonato.

 

Cascavel, no Paraná, tem a distinção de ter sido o primeiro autódromo de cidade do interior no Brasil. Passou a figurar nos calendários brasileiros a partir de 1973. Curiosamente, nos 25 anos de história da Stock car, muito poucas etapas foram realizadas em Cascavel, de fato só 5. Entretanto, Angelo Giombelli, o parceiro de Ingo de 1991 a 1993, é de Cascavel. E o campeão de 2003, David Muffato, também. David é filho de Pedro Muffato, entre outras coisas, empresário de sucesso, ex-prefeito de Cascavel, ex-construtor de monopostos (o Muffatão da F-2), o piloto com mais participações na F-3 Sul-Americana, e bom piloto. David despontou como o grande nome de 2003. Ganhou quatro etapas, foi disciplinado no meio do campeonato, mas ainda assim venceu. É a nova guarda que chegou para ficar: os veteranos, representados por Ingo e Chico Serra, ganharam 2 das 12 etapas. A gurizada, 10. Entre os novos, Giuliano Losacco, Antonio Jorge Neto e Guto Negrão, além de David Muffato.

 

Após 25 anos, a Stock car bate o recorde como a categoria que mais tempo durou no Brasil até hoje. Conseguiu sobreviver a retirada de apoio de um fabricante, diversas crises econômicas, calendários pequenos, trocas de regulamentos, mas continua firme. É certo que está longe de ser uma NASCAR, e nem pretende sê-la. A categoria permanece um exemplo a ser seguido no automobilismo brasileiro, até hoje caracterizado pela inconstância. Para 2004, outra mudança de carro: agora foi adotado o Astra Sedan.

 

TEXTO: Por Carlos de Paula

Pintura da Copa Montana
10693_1507978196151187_4476399211679094692_n.jpg
10891856_1507978146151192_6710212801853038216_n.jpg
10390407_1507978166151190_4629242966089962841_n.jpg

COPA MONTANA

 

A RS Racing esteve presente na Copa Montana de 2010.

Veja alguns momentos da nossa trajetória abaixo:

Notícias da RS Racing na Copa Montana

46875_123869804330658_4025299_n.jpg

Equipe de Guarulhos acelera em Interlagos nesse final de semana

 

BY WANESSA ARAUJO /  DOMINGO, 05 DEZEMBRO 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

A equipe guarulhense RS Racing, que ocupa o 6º lugar da Copa Montana – segunda divisão da Stock Car – entra na briga por pontos, neste domingo, às 13h, quando acontecerá a 5ª etapa da prova, em Interlagos. Antes, porém, às 11h, a disputa será entre os pilotos da categoria principal, que além da pontuação normal da 7ª edição, dará o prêmio de R$ 1 milhão ao vencedor.

 

Um dos favoritos ao prêmio de R$ 1 milhão da Stock Car é o piloto da Red Bull, Cacá Bueno, que subiu para a quarta posição na classificação geral após vencer a etapa de Salvador (BA), realizada em agosto. “A corrida do milhão é a que todos querem ganhar, pois rende um bom prêmio a curto prazo, mas para o campeonato é uma corrida igual a qualquer outra. Por isso, melhor que vencer a corrida do milhão, é vencer o campeonato, que a longo prazo pode render mais que R$ 1 milhão, já que traz mais visibilidade e tem benefício mais duradouro.”

 

Estreante na Copa Montana, a equipe guarulhense, que conta com os pilotos Leandro Romera e Ítalo Silveira, briga por uma das duas vagas de acesso para a categoria principal e, com isto, poder disputar, em 2011, o valioso prêmio oferecido no circuito de Interlagos. Embora some apenas 44 pontos, bem atrás da primeira colocada, a Scuderia 111, que acumula 102, o diretor da equipe, Rui Salles, garante que segue vivo na disputa.

 

“Somos uma equipe nova e a única independente entre os primeiros seis colocados. Apesar dos poucos recursos que dispomos, estamos conseguindo bons resultados, principalmente se levar em consideração que as cinco que estão à nossa frente vieram da categoria principal ou contam com o apoio de alguma equipe que permanece lá. Entramos na Copa Montana com o objetivo de subir para a Stock Car e estamos trabalhando para isso”, disse Salles.

 

Fonte:http://www.olhao.com.br/

Fotos Ribeirão Preto 126.jpg

A lei é sobreviver

 

BY IMPRENSA /  DOMINGO, 18 JULHO 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

O circuito de rua de Ribeirão Preto mostrou ser o mais desafiador da temporada 2010

Arthur Gomes Rossetti

A cidade de Ribeirão Preto localizada no interior paulista é considerada como um dos maiores pólos industriais alcooleiros do país, e durante os dias 4, 5 e 6 de junho recebeu de braços abertos a 4ª etapa do campeonato nacional de Stock Car.


O circuito foi montado nas ruas da zona oeste com 2.270 metros de extensão a beira do novo mercado municipal, e exigiu muita perícia dos pilotos que apelidaram as curvas ‘travadas’ e as pequenas retas de ‘Mônaco Brasileira’. 


De tocada semelhante ao autódromo Velopark, os freios e a transmissão foram altamente exigidos, e um grande número de acidentes e colisões aconteceu resultando na baixa de muitos pilotos da competição, incluindo o mineiro Ítalo Silveira.


Por outro lado o piloto Leandro Romera conseguiu sobreviver a todos os perigos e terminou a corrida em 8º lugar, garantindo importantes pontos no campeonato para a equipe RS Racing. Veja agora os detalhes deste eletrizante final de semana.

Sexta-feira


A expectativa dos pilotos da equipe RS Racing / Prata Tx Sports era aplicar a tática da tocada agressiva utilizada no Velopark, que garantiu a dobradinha de Ítalo Silveira e Leandro Romera em 1º e 2º lugar respectivamente no treino classificatório.


Logo após a liberação da pista, as curvas do inédito circuito foram sendo superadas em primeiro momento de maneira cautelosa, pois não havia área de escape suficiente para acobertar erros por parte dos pilotos. Qualquer descuido poderia resultar em muro e até mesmo a não participação na corrida.


Enquanto Ítalo tentava encontrar o melhor equilíbrio do controle de distribuição da força de frenagem, que na pista de Ribeirão esteve amplamente regulada para as rodas dianteiras, Romera extraía o máximo dos pneus usados na etapa anterior do Rio de Janeiro.


Ambos conseguiram evoluir gradualmente sem maiores sustos. A meta era a de conhecer os limites do circuito de rua e, ao mesmo tempo, deixar os carros intactos para o treino classificatório do sábado.

Sábado


O treino de sábado foi marcado por fortes emoções, pois muitos pilotos ao tentar superar os limites da máquina foram de encontro ao muro, avariando boa parte do carro. Para garantir segurança a organização decidiu liberar apenas dois pilotos por vez, em apenas duas voltas rápidas, num sistema de ‘rodízio’ até que as 18 voltas de cada um fossem completadas.


Extremamente confiante, Ítalo Silveira começou a subir de posição volta após volta, e a equipe após encontrar o acerto ideal sugeriu cautela, mas o garoto resolveu pisar fundo e tentar a pole position. Durante a volta rápida as primeiras parciais demonstraram que a possibilidade era real se não fosse uma forte colisão com a barreira de pneus antes de completá-la, em pleno último setor. O impacto deixou o piloto com algumas dores musculares, e o carro com a frente completamente destruída. O acidente tirou definitivamente Silveira da etapa de Ribeirão. O piloto Betinense passava bem e estará presente na próxima etapa em São Paulo.

Enquanto isso Romera assistia os erros dos adversários e tentava aprender todos os macetes para não entrar na estatística dos abandonos. A tática deu certo, e após uma tocada limpa, consciente e veloz, o 12º lugar no grid foi conquistado.

O piloto Sérgio Jimenes da Scuderia 111 cravou a pole position com o tempo de 1m12s459, seguido de Rafael Daniel e Sérgio Ramalho.

Domingo


Com o colega de equipe Ítalo Silveira impossibilitado de correr, Romera ficou incumbido de garantir pontos para a equipe no campeonato e teria que terminar pelo menos entre os 15 primeiros.


Após conturbada largada, o piloto do carro 88 se manteve firme e já na primeira volta ganhou duas posições, deixando Pedro Boesel e Cássio Homem de Mello para trás. Os dois inclusive causaram posteriormente a primeira entrada do Safety Car.


Após a bandeira verde, o ‘travado’ circuito oferecia grande dificuldades para ultrapassagem, pois logo que a 4ª marcha era engatada, havia a necessidade por redução devido as curvas de baixa velocidade que marcaram traçado.


Assim Romera continuou com o ‘pé na tábua’ e conseguiu escapar de mais um acidente bem a sua frente entre os oponentes Diogo Pachenki e Wellington Justino.
E foi diante de um ritmo extremamente forte que o piloto de São Caetano do Sul cruzou a linha de chegada em 8º lugar.

A prova foi vencida de ponta a ponta por Sérgio Jimenez com o tempo total de 40m12s422.  A segunda posição no pódio ficou com Rafael Daniel com 40m12s522, enquanto que Sérgio Ramalho chegou em terceiro lugar em 40m12s920. 

Após quatro etapas, Leandro Romera soma 13 pontos e está em 14º lugar na tabela de classificação. Sua equipe RS Racing é a 6ª colocada com 33 pontos.

A quinta etapa da Copa Chevrolet Montana V8 de Stock Car será no dia 5 de setembro, em Interlagos.

 

Fonte: Jornal Oficina Brasil

34286_103606479690324_6039832_n.jpg
34286_103605726357066_5517513_n.jpg
33501_114784191905886_169617_n.jpg

Romera sobrevive e soma pontos importantes em Ribeirão Preto

 

BY IMPRENSA /  DOMINGO, 18 JULHO 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

O Sulsaocaetanense Leandro Romera escapa dos “perigos” do circuito de rua de Ribeirão Preto e termina a prova na 8ª colocação somando importantes pontos para o campeonato.

 

Ribeirão Preto, cidade do interior paulista localizada a 336 km da capital recebeu nesse final de semana as feras da Stock Car e Copa Chevrolet Montana em um circuito de 2.270m montado nas ruas da zona oeste para receber um público de 42 mil pessoas.

 

E a 4ª etapa da Copa Chevrolet Montana foi bastante movimentada, principalmente para o piloto do Safety Car, o carro de segurança da categoria: foram quatro entradas devido a toques e acidentes dos pilotos, porém todos sem gravidade.

 

Leandro Romera (Glan Data / Grupo Candinho / BullFlex / Matic Instrumentos Musicais) largou na 12ª colocação e já na primeira volta ganhou duas posições, deixando Pedro Boesel e Cássio Homem de Mello para trás; os dois inclusive foram os causadores da primeira entrada do Safety Car.

 

Como é comum em circuito de rua, as ultrapassagens são extremamente complicadas, e o maior segredo é manter-se na pista, preferencialmente longe dos muros e das confusões. Dessa forma Romera continuou sua corrida, escapando de mais um acidente logo a sua frente entre Diogo Pachenki e Wellington Justino: “Assisti tudo de perto, o Sondermann estava à minha frente e conseguiu ganhar as duas posições. Eu passei o Pachenki e quando ganharia a posição do Justino ele voltou para a pista, mas estava muito lento e fui obrigado a tirar o pé”, explicou o piloto da Montana n° 88. Sobre o polêmico acidente entre os dois pilotos, Romera declarou: “O Justino perdeu o ponto de freada no 180° da escola, e com isso o Pachenki colocou de lado, e não na frente! O Justino defendeu a posição… e aí deu no que todo mundo viu, acidente de corrida”.

 

O piloto era só elogios a equipe RS Racing durante o GP de Ribeirão Preto: “O carro está muito bom, não conseguimos ficar entre os três primeiros no classificatório devido a uma tentativa de acerto que acabou não dando certo, e em um treino de apenas duas voltas, um erro é fatal”, explicou Leandro. “Mesmo assim fizemos na pista o que era possível para somarmos pontos e terminarmos a prova; ainda no final eu até poderia ter ameaçado o Justino, mas achei que não valeria a pena arriscar e resolvi ficar quieto e terminar”, finalizou o piloto.

 

Romera ainda ganharia a posição de Serafim Jr que escapou sozinho, cruzando a linha de chegada em 8º lugar. O vencedor da prova nas ruas de Ribeirão Preto foi Sérgio Jimenez.

 

Após 4 etapas, Leandro Romera soma 13 pontos e está em 14º lugar na tabela de classificação. Sua equipe RS Racing é a 6ª colocada com 33 pontos.

 

A próxima etapa da Copa Chevrolet Montana acontece após a Copa do Mundo, no dia 05 de setembro em Interlagos (SP).

Confira o resultado final da 4ª etapa da Copa Chevrolet Montana:

1)Sérgio Jimenez – 40:12.422
2)Rafael Daniel – 40:12.522
3)Sérgio Ramalho – 40:12.920
4)Lucas Finger – 40:16.462
5)Eduardo Leite – 40:17.784
6)Gustavo Sondermann – 40:20.243
7)Wellington Justino -40:26.218
8)Leandro Romera- 40:27.251
9)João Pretto – 40:27.625
10)Douglas Soares – 40:27.832
11)Galid Osman – 40:29.857
12)Denis Navarro – 40:30.742
13)Rodrigo Navarro – 40:48.220
14)Marcelo Cesquim – 41:20.648
15)Thiago Penido – 41:31.942
16)Carlos Kray – 41:32.540
17)Marcelo Tomasoni – 39:32.552
18)Edson do Valle – 38:10.651
19)Serafin Jr – 36:27.376
20)Fabricio Lançoni – 33:21.273
21)Diogo Pachenki – 30:30.017
22)Cadú Pasetti – 19:18.075
23)Marco Cozzi – 17:48.674
24)João Paulo Mauro – 14:05.700
25)Hybernon Cisne – 04:11.553
26)Pedro Boesel – 03.273
27)Cássio Homem de Mello – 03.890

 

Fonte: http://www.crossbrasil.com.br

59221_124393497611622_7048495_n.jpg

Equipe de Guarulhos participa da Copa Montana

 

BY IMPRENSA /  DOMINGO, 18 JULHO 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

Quem passa em frente à oficina da RS Racing, na Vila Augusta, tem a impressão de tratar-se de uma oficina comum entre as inúmeras que estão espalhadas pela cidade. Mas basta entrar no local para ter a certeza de que as aparências enganam. No amplo galpão, equipado com os mais diversos aparatos para carros de competição, mecânicos e engenheiros trabalham em constante desenvolvimento tecnológico em busca de resultados dentro e fora das pistas.

 

No comando dessa estrutura, está o engenheiro Rui Salles, 40 anos, que teve seu contato com o automobilismo aos dez, e hoje participa com a equipe na Copa Montana, uma espécie de 2ª divisão da Stock Car. Incentivado pelo pai, que era piloto de provas da Volkswagen, Salles conquistou diversos títulos no cenário do kart brasileiro, até se aventurar, nos idos de 1990, na Fórmula 1600, uma outra categoria da época.

 

Como o custo para se manter na categoria era muito alto, Salles abriu mão da competição para, em 1992, foi convidado a ser instrutor na Inglaterra e em troca a utilização do carro para participar das competições. “Lá, fui convidado a ser instrutor e, em troca, usaria o carro para participar de competições. Mas havia uma regra que me impedia de arrumar outro emprego para poder me manter, e o alto custo da minha permanência me fez encerrar minha carreira como piloto.”

 

No entanto, o automobilismo continuou sendo sua grande paixão e, embora abandonando a carreira de piloto, Salles não conseguiu ficar muito tempo longe deste esporte. Em 1993 foi fazer engenharia industrial e, paralelamente, também se formou em administração de empresas. Em 1999 o engenheiro reiniciou sua carreira no automobilismo, mas agora nos bastidores. “Trabalhei em diversas equipes e aprendi muito durante os quatro anos nos EUA.”

 

Em 2001 Salles voltou para o Brasil e, de 2002 a 2005, se afastou das pistas, mas sempre buscando aprimorar seus conhecimentos técnicos. De 2005 para 2006, ele foi convidado para montar os carros de uma nova equipe da Stock Car Light. Ao final da temporada de 2006, o piloto que era americano, resolveram parar de correr.

 

Após este rompimento, Salles decidiu tentar com outras oportunidades. Foram duas tentativas de parcerias naquele ano, até que, em 2008, Salles foi convidado para fazer o carro de um outro piloto e a parceria funcionou. “Hoje estamos com os pilotos Leandro Romero e Ítalo Silveira. Além da oficina em Guarulhos, onde fazemos todo o reparo do carro do Leandro, também há uma outra, em Minas Gerais, que atende ao carro do Ítalo.

 

Fonte: www.diariodeguarulhos.com.br/

 

Imagem 163.jpg

Não deu samba

 

BY WANESSA ARAUJO /  DOMINGO, 18 JULHO 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

A etapa carioca foi marcada por muitas surpresas e dificuldades técnicas

 

 A equipe RS Racing / Prata Tx Sports chegou à cidade maravilhosa com muita expectativa e empolgação para a 3ª etapa da Copa Montana de Stock Car V8, pois o clima de incerteza sobre o futuro do autódromo de Jacarepaguá forçou os pilotos a uma reflexão sobre a oportunidade única em contornar as curvas e pisar fundo nas retas do circuito que abrigou no passado importantes provas internacionais como a Champ Car, Fórmula 1 e Moto GP. Nos bastidores muito se especulava sobre a desapropriação do local ainda este ano para ceder espaço a um futuro complexo esportivo, mas nada foi confirmado até o momento.

Sexta-feira

 

Nos treinos livres de sexta-feira os bólidos ganharam a pista que apresentava temperatura próxima dos 30°C, muito propícia a boa aderência dos pneus, porém com acentuado desgaste quando comparado a um dia mais ameno. Enquanto Ítalo Silveira progredia no acerto do carro, Leandro Romera enfrentava um problema de vazamento no retentor do diferencial. O óleo pingava no pneu traseiro direito e atrapalhou a busca pelo melhor acerto.

 

Os dois carros estavam equipados com pneus da etapa anterior no Velopark, porém a pista estava muito suja, ocasionando a perda de tração no final da reta, bem no cotovelo. Embora poupando equipamento, os carros se mostraram rápidos nas curvas. O problema foi à falta de tração em momentos decisivos onde os 350cv são despejados com tudo nas rodas traseiras.

Sábado


No treino classificatório o problema da perda de tração foi eliminado devido à melhora de dois itens (secretos) no setup. Enquanto o carro #31 do Ítalo progredia sem apresentar maiores problemas para obtenção do melhor ajuste, Romera comentou que a Montana #88 mesmo estando com pneus usados vinha muito rápida. Para ele a equipe decidiu mudar a estratégia de classificação devido à pista ser maior e comportar mais carros. Mesmo sendo os mais rápidos nos 2º e 3º trechos, o 1º e 4º trecho ainda era prejudicado. Em função de outro piloto que atrapalhou justamente durante a volta rápida, Romera exigiu demais na volta seguinte e acabou rodando na saída do 4º setor. O fato lhe custou caro, onde o melhor tempo conseguido foi o de 1min22s928, apenas 0s899 do pole position, o que lhe garantiu apenas a 17ª posição no grid de largada do domingo.

 

Enquanto isso Ítalo conseguiu andar um pouco mais e marcou a 6ª posição no grid com o tempo de 1min22s351, apenas 0s322 do pole position.

Domingo

 

Após uma largada conturbada e difícil, tanto Ítalo quanto Romera tiveram muita dificuldade para não se envolver em nenhum acidente. Devido à largada ser na reta oposta a maior reta, o cotovelo que obriga os pilotos a virar 180° exige muito do carro e principalmente da paciência dos rivais, que muitas vezes se aproveitam da situação para provocar um leve toque e tirar algum proveito no momento da saída.

 

Após se desconcentrar em uma disputa no ‘curvão da Indy’, Ítalo se perdeu e por pouco não encheu o muro. Por sorte nenhum dano foi ocasionado e o piloto retornou a competição em 17º lugar.

 

Próximo a ele estava Romera, ainda na luta pela melhora na corrida. Algumas ultrapassagens foram feitas, mas após 10 voltas percorridas, o novo jogo de pneus utilizados se degradaram excessivamente, prejudicando a busca pro melhores voltas. Mesmo assim o piloto de São Caetano do Sul, cidade do grande ABC paulista garantiu a 18ª colocação e seu companheiro de equipe a 12ª posição, garantindo três pontos no campeonato.

 

A prova foi vencida pelo pole position Eduardo Leite com o tempo total de 39min38seg640 para as 25 voltas no Autódromo Internacional Nelson Piquet. O piloto da HotCar Racing liderou a disputa de ponta a ponta e não teve dificuldades para cruzar em primeiro e vencer pela primeira vez na temporada 2010.O segundo colocado foi Rafael Daniel, da Scuderia 111, com 39min43seg801 e o carioca Serafim Jr., da W2 Racing, completou o pódio marcando 39min45seg534.

Reclamação

 

O que atrapalhou o final de semana das equipes da Copa Montana de Stock Car V8 foi o péssimo posicionamento das tendas de box, que obrigou a utilização de macacos tipo jacaré para conseguir tirar os carros de dentro, sobre um asfalto irregular que também não ajudou.

 

Depoimento dos pilotos

 

Ítalo Silveira

 

“Deu tudo certo no meu carro durante o final de semana inteiro. Eu tinha um carro bom nas mãos e nos treinos, mas como não temos condições de colocar mais jogos de pneus como as equipes grandes, aparecemos mais atrás. Sabemos que isso é um quadro reversível quando passarmos a ter um jogo de pneus novos na tomada de tempo, assim como aconteceu nas corridas que já se passaram.

 

No classificatório tomei de mim mesmo quatro décimos comparando o pneu novo para o pneu velho no primeiro trecho, e com isto fechei com apenas o 6º melhor tempo, três décimos acima da pole, 0s322 do líder.

 

Na corrida tentando recuperar do meu erro da tomada de tempo, tentei subir de posição rapidamente e acabei errando sozinho no curvão da Indy, sendo que quase bati. A partir daí perdi varias posições e depois me toquei com o Júlio Campos, e acabei caindo ainda mais. Cheguei a estar em 17º, mas consegui recuperar algumas posições e terminei em 12º. A equipe toda está de parabéns, sendo que me deram um bom carro e não consegui aproveitar como fiz no Velopark.

 

Quero agradecer a toda a minha equipe pela garra e dedicação e na próxima etapa em Ribeirão Preto vou com tudo para que consiga terminar na frente”.

 

Leandro Romera

 

“Chegamos ao treino de sexta-feira com uma idéia de acerto e com os pneus da etapa anterior, sendo que eles funcionaram muito bem. No classificatório pegamos tráfego, o que me prejudicou, além de um erro que resultou em na perda de tração e rodada no 4º setor.

Apesar de nunca ter andado na pista de Jacarepaguá antes da reforma, particularmente adoro ela devido ter as características de ser muito rápida, o que combina com o meu estilo de pilotagem. Ela mescla dois tipos de tocada, de alta e baixa. A curva dois, mais conhecida como ‘curvão da Indy’ fazemos de 170 a 180 km/h, o que garante muita emoção ao volante.

 

Não conseguimos encontrar um bom equilíbrio para o carro, até na última tentativa de marcar meu tempo para o grid vinha com uma parcial que me colocaria entre os cinco primeiros, mas errei o ponto de freada na última curva e não consegui melhorar meu tempo.

 

Na corrida tive muita dificuldade em me livrar dos oponentes, visto estarem com ótimos carros também, e para ajudar, logo no início da prova levei um toque do Navarrinho que desalinhou meu carro, então não havia muito mais o que fazer, comentou o piloto que caiu para 22º depois da largada devido ao toque e ganhou cinco posições, mas no final terminou a prova em 18º lugar.

 

Agradeço a minha equipe pelo bom trabalho e agora é partir para a etapa de Ribeirão Preto, a qual certamente será muito difícil também”.

 

Escrito por Arthur Rossetti

Fonte: Jornal Oficina Brasil

 

All rights reserved  - by Silvia Linhares - 001 - 12-51h - 05  setembro 10.jpg

Alan Neto visita equipe guarulhense de Stock Car

 

BY WANESSA ARAUJO /  SÁBADO, 17 JULHO 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

No próximo domingo, dia 11, uma equipe guarulhense de Stock Car estará no autódromo de Curitiba, no Paraná, participando da primeira etapa da Copa Chevrolet Montana. Os pilotos Ítalo Silveira e Leandro Romera tentarão colocar os carros 31 e 88 no grid de largada. “É um fato inédito, uma equipe de Guarulhos de Stock Car”, disse o engenheiro Rui Salles Lima Jr, da equipe RS Racing.

 

Lima recebeu a visita do presidente da Câmara Municipal, Alan Neto, no início da semana, quando a equipe de mecânicos da RS Racing corria contra o tempo para montar o carro que receberá o número 88. “O outro carro já está em Curitiba. Temos de terminar este ainda hoje”, terça-feira, dia 6 de abril.

 

Além de conhecer um dos carros da equipe guarulhense, Alan aproveitou o encontro para ouvir sobre um projeto de Centro de Formação de Pilotos. Há tempos, Lima cultiva o desejo de montar o centro em Guarulhos. Após a visita, Alan desejou boa sorte à equipe guarulhense e prometeu apoio ao esporte.

 

A expectativa da equipe é conseguir colocar os dois carros no grid de largada. São 44 carros disputando 34 posições. “Após essa etapa, nossa intenção é conseguir classificar pelo menos um carro entre os dez colocados”, finalizou Lima. Segundo ele, a principal dificuldade da equipe é a busca por patrocinadores.

 

Fonte: http://www.camaraguarulhos.sp.gov.br/

Fotos-Ribeirão-Preto-212.jpg

Copa Chevrolet Montana: Depois do Rio, Romera visa o novo circuito de rua em Ribeirão Preto.

 

BY IMPRENSA /  DOMINGO, 18 JULHO 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

Problemas no carro e batida logo no início da prova impediram piloto do Grande ABC Paulista a buscar um melhor resultado no circuito de Jacarepaguá (RJ).

 

(Rio de Janeiro, RJ) – O piloto da Chevrolet Montana n° 88 da equipe RS Racing não teve o que comemorar durante a terceira etapa da categoria realizada no circuito de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Depois de não conseguir um bom equilíbrio durante o classificatório, Leandro Romera  (Glan Data / Grupo Candinho / BullFlex / Matic Instrumentos Musicais)  partiu para a corrida acreditando na melhora do carro durante a prova: “Não conseguimos encontrar um bom equilíbrio para o carro, até na última tentativa de marcar meu tempo para o grid vinha com uma parcial que me colocaria entre os cinco primeiros, mas errei o ponto de freada na última curva e não consegui melhorar meu tempo”.

 

Mesmo largando na 17ª colocação, a expectativa era de fazer uma boa corrida: “Durante os treinos livres sempre havia um problema, como o vazamento de óleo, e os pneus usados. Acreditávamos que mesmo vindo do meio do grid melhoraríamos o rendimento durante a prova, mas não foi o que aconteceu”, explicou Leandro. “E para ajudar, logo no início da prova levei um toque do Navarrinho que desalinhou meu carro, então não havia muito mais o que fazer”, comentou o piloto que caiu para 22º depois da largada devido ao toque e ganhou cinco posições, mas no final terminou a prova em 18º lugar.

 

“Agora é trabalhar para o novo circuito de rua em Ribeirão Preto! Pelas características da pista e informações que temos, acreditamos andar bem lá, pois assemelha-se ao Velopark (RS), onde a equipe marcou os dois melhores tempos  e meu companheiro Ítalo venceu”,  finalizou Romera.

 

A RS Racing retorna à São Paulo para estudar o que aconteceu com a Chevrolet Montana n° 88 e mudar o que for necessário para a etapa de Campo Grande (MS), pois a pista muito é muito parecida ao circuito carioca.

 

A equipe RS Racing e o piloto Leandro Romera têm um novo desafio no dia 06 de junho na cidade do interior paulista de Ribeirão Preto.

 

Fonte: http://www.crossbrasil.com.br/

All rights reserved  - by Silvia Linhares - 023 - 13-42h - 03  setembro 10.jpg

Sangue, suor e lágrimas

 

BY WANESSA ARAUJO /  SÁBADO, 08 MAIO 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

A primeira etapa da Copa Chevrolet Montana de Stock Car começou incerta e sombria, sob uma garoa que insistia em não dar trégua. Na quinta-feira 8 de abril, após chegar ao autódromo internacional de Curitiba em Pinhais – PR, a equipe RS teve o primeiro susto: O carro 88 de Leandro Romera (Glan Data / Grupo Candinho / BullFlex / Matic / Oficina Brasil) que havia saído da oficina em Guarulhos por último, não chegara no horário previsto. 

Sem conseguir comunicação através do telefone celular com o motorista e integrante da equipe, Cid Ferraz, todos ficaram apreensivos.  O alívio veio após cinco horas corridas, quando o guincho plataforma de Cid apontou em frente o Box da RS, em conseqüência de um congestionamento no caminho. Romera acabou sendo prejudicado, pois perdeu o treino livre de quinta-feira. Por outro lado o piloto Ítalo Silveira, carro 31 (Prata TX Sports / Kartódromo de Betim / Leitura / JChebly / Oficina Brasil) conseguiu completar algumas voltas para sentir o comportamento da nova carroceria pela primeira vez.

 

Após muita correria dos mecânicos para finalizar a montagem e os ajustes necessários nos dois carros em plena madrugada de quinta para sexta-feira, os bólidos ganharam a pista para a segunda bateria de treino livre. Depois de uma breve trégua da chuva, enquanto Ítalo se adaptava com o controle interno manual de distribuição de frenagem (que distribui a força mais para as rodas dianteiras ou traseiras), o cambio do carro de Leandro era reparado. O garfo da 3ª e 4ª marcha apresentou folga excessiva na região de apoio com o eixo, e um calço de ajuste foi inserido. Caso o ajuste não fosse efetuado, o olhal de apoio do eixo no garfo poderia vir a quebrar.


Problema resolvido, Leandro conseguia sentir o gosto de andar na Stock Car novamente desde a última etapa da extinta categoria Light em dezembro de 2009. Mas como a ‘bruxa estava solta’, após quatro voltas completadas na sessão de treino livre da sexta-feira à tarde, a surpresa: o motor apresentou superaquecimento. Como o regulamento não permite reparos no motor por conta própria, ele teve de ser trocado por um reserva. O fato fez com que a bateria da tarde fosse utilizada somente por Ítalo, que apesar de treinar com pneus velhos se saiu bem, ficando entre os 20 primeiros colocados. 

Novamente os mecânicos do carro 88 não tiveram trégua, varando noite adentro para deixar o V8 tinindo para o treino classificatório. O serviço foi finalizado às cinco horas da manhã do sábado.
Na manhã do mesmo dia a tensão tomou conta de todos novamente, pois havia três grandes desafios para Romera superar no momento da classificação: o de não ter andado o quanto deveria nos treinos livres, o de não saber se o motor reserva proporcionaria a mesma performance em relação ao anterior, e por último, torcer para que o ajuste efetuado no câmbio fosse suficiente para eliminar a folga e proporcionar resistência para conclusão também da corrida de domingo.

Assim que os fiscais liberaram a pista para a tomada de tempo oficial no período da manhã do sábado, os carros 31 e 88 ganharam a pista. Como o regulamento permite apenas 18 voltas, os dois trocaram os pneus usados por novos, do tipo slick da Goodyear que é a fornecedora exclusiva da categoria.

Ao final da bateria chega à maravilhosa notícia que dentre os 44 carros inscritos no campeonato, ambos estavam entre os 10 primeiros colocados no grid de largada. Leandro cravou o 9º lugar e Ítalo o 11º. Com a desclassificação do piloto Marco Cozzi que havia cravado o 2º melhor tempo devido a apresentar peso total do carro abaixo do mínimo estipulado pelo regulamento, que é de 1.280 kg, uma posição a mais foi herdada nos dois casos, ficando em 8º e 10º lugar respectivamente. 

Curiosidade: A RS Racing Drive To Performance foi a melhor equipe independente classificada no grid, ou seja, de orçamento limitado e sem vínculo com equipes da categoria principal Copa Caixa de Stock Car, fato ocorrente nas demais melhores classificadas.

 

 Após o treino, quando tudo parecia ser flores, novamente o temor tomou conta da equipe. Na tarde do sábado enquanto todos comemoravam as importantes posições conquistadas no grid, um fiscal da CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo) chega aos boxes com uma denúncia anônima, afirmando que o carro 88 estava com supostas irregularidades na grade dianteira e no extrator traseiro de ar. Segundo Rui Salles, “a RS está completamente dentro das regras impostas pelo regulamento 2010. Imagino que algumas equipes provavelmente não souberam interpretá-lo corretamente. Poderíamos até mesmo citar a CBA outros carros com as mesmas características do nosso, mas isso não vem ao caso. Modificamos conforme sugerido pelo fiscal e partimos para a decisão no domingo”, comentou o chefe de equipe em nota exclusiva ao jornal Oficina Brasil.

 

Mais uma vez a equipe de mecânicos da RS foi obrigada a trabalhar na madrugada do sábado para o domingo, para deixar a Montana V8 de Romera supostamente ‘dentro do regulamento’.

Na manhã do domingo os ventos pareciam estar a favor da equipe de Guarulhos, fato que foi revertido no decorrer da disputada prova. Logo na largada Romera entrou na briga pelas cinco primeiras posições, mas devido à confusão criada pelos adversários foi obrigado a tirar o pé: Fábio Fogaça rodou na sua frente e por muito pouco não o acerta em cheio. Assim o piloto perdeu muitas posições, caindo para o 11º lugar. Enquanto isso Ítalo se beneficiou do ocorrido e pulou para a 7ª posição, ficando a frente do experiente piloto Sérgio Gimenez.

Em duas voltas Leandro fazendo uma excelente corrida briga por posições com Pedro Boesel e Douglas Soares, já subindo para o 9º lugar. Poucas voltas adiante Ítalo é atingido na traseira por Gimenez na entrada da curva 4, o que causou a entrada do Safety Car. Neste momento o mineiro foi para a última posição. Romera assim subiu para a 7ª colocação.

Na relargada, o pole position e líder da prova até então, Eduardo Leite teve problemas com o pneu traseiro esquerdo furado, o que deu mais uma posição para o piloto 88 da RS Racing, o 6º lugar na prova. Enquanto isso no final do pelotão Ítalo conseguiu realizar várias ultrapassagens, alcançando a 26ª colocação a qual permaneceu até o final.
Faltando apenas duas voltas para a bandeira quadriculada, o problema no câmbio de Romera voltou a aparecer, ocasionando a troca espontânea da 4ª para a 5ª marcha sem o comando do piloto. Desta maneira seis posições foram perdidas, terminando a prova em 12º lugar.

A prova foi vencida pelo campeão da extinta Pickup Racing Julio Campos, que corria em casa.
O ex-piloto de Fórmula 1 Nelsinho Piquet, convidado especial para a etapa de abertura foi o segundo, com o ex-campeão da Stock Car Light Diogo Pachenki completando o pódio.
Devido a participação de Nelsinho Piquet não ter sido oficial, os pilotos colocados após o 1º colocado herdaram uma posição a mais, o que garantiu a Romera a 11ª colocação e 5 pontos na classificação geral do campeonato, e a 25ª colocação para Ítalo.

Erramos: Ao contrário do informado na edição de março de 2010, a litragem correta do motor V8 que equipa a Copa Montana é de 5,7 litros (350 pol³).

 

Fonte: Jornal Oficina Brasil

https://www.facebook.com/rsracing.rs

DSC00553.JPG

Nova Santa Rita fez história

 

BY WANESSA ARAUJO /  SEGUNDA-FEIRA, 07 JUNHO 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

Em dois de maio o campeonato de Stock Car 2010 trouxe um gostinho especial tanto para a equipe RS Racing / Prata Tx Sports, como aos amantes do automobilismo e residentes na grande Porto Alegre, pois o recém construído autódromo Velopark, situado na cidade de Nova Santa Rita – RS teve a inauguração das provas de circuito. 

A pista acabou servindo de palco para a primorosa apresentação seguida de vitória do piloto Ítalo Silveira, ‘o mineirinho’, como é conhecido nos bastidores da competição o dono do carro 31. Com apenas 19 anos de idade, o ex-campeão de kart atingiu o ápice da carreira como piloto profissional.

As dificuldades vividas durante esta etapa promoveu também um grande aprendizado por parte da equipe, que foi severamente penalizada devido o carro 88 de Leandro Romera estar supostamente fora do regulamento. Veja a seguir os detalhes de mais um capítulo do acirrado campeonato Copa Montana de Stock Car 2010.

Fim de semana complicado
Com apenas 2.162 metros, o traçado do Velopark passou a ser a extensão do retão de 402 metros que abrigava desde 2008 as provas de arrancada, e foi considerada pelos pilotos como bastante técnica e um tanto ‘travada’.

Durante os treinos livres de quinta e sexta-feira, após a revisão geral da caixa de marchas do carro 88 de Leandro Romera, e a recuperação da carenagem do carro 31 de Ítalo Silveira, ambos avariados na etapa anterior de Curitiba – PR, os bons resultados apareceram na forma de um 5º e 6º lugar respectivamente. Neste dia apenas o paulista Romera utilizou pneus novos durante a tomada de tempo. Treino encerrado e ambos os pilotos partiram para o dia seguinte com a convicção que seria possível estar entre os dez primeiros colocados, repetindo a façanha da etapa de abertura da competição.

Sábado


No treino classificatório de sábado em pleno 1º de maio, dia do trabalho, a equipe RS Racing / Prata Tx Sports que havia trabalhado arduamente nos dois dias anteriores para acertar o ‘set up’ de ambos os carros, começava a colher os frutos desta dedicação. Volta após volta à evolução dos pilotos era materializada em forma de tempo entre os dez primeiros do grid. Na 17ª e penúltima volta classificatória de Romera a surpresa veio com o incrível tempo de 55s187, o que garantiu a pole position entre os 44 pilotos inscritos na categoria. Mas alguns minutos depois outra surpresa tomou conta da equipe, pois o ‘mineirinho’ Ítalo literalmente comeu pelas beiradas e cravou 55s007, garantindo a pole position.

Com a inédita dobradinha na categoria a equipe e os pilotos eram só alegria, fato este que seria cessado pouco tempo depois devido a CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo) punir o piloto do carro 88, Leandro Romera com a desclassificação. O argumento foi à falta de conformidade do extrator de ar traseiro, com o desenho oficial da peça no papel.

Em nota exclusiva ao jornal Oficina Brasil, o proprietário e chefe de equipe da RS Racing, Rui Salles comentou que “infelizmente houve uma interpretação diferente do comissário técnico da CBA que não teve o mínimo de bom senso em relação a uma peça que não muda em nada o desempenho de um carro, sendo que todos os demais itens verificados estavam em conformidade com o regulamento. Utilizamos um extrator traseiro da copa Vicar de 2009, que segundo o regulamento escrito é permitido. O que nos deixa chateados é que conseguimos o resultado com muito trabalho dentro da pista, porém temos do outro lado alguns fiscais e dirigentes que a meu ver não enxergam da mesma maneira. Também não podemos generalizar, pois existem pessoas muito comprometidas com o automobilismo. 

Agora o que nos resta é levantar a cabeça e partir para a próxima etapa no Rio de Janeiro e ver o que acontece.”

Domingo


Com apenas o carro 31 representando a equipe RS Racing / Prata Tx Sports no grid de largada a responsabilidade aumentou, pois além de largar em 1º lugar, Ítalo Silveira não poderia contar com a ajuda de Leandro Romera na defesa da posição.

Na largada ocorrida em movimento os carros avançaram rapidamente a mais de 230 km/h para a curva de número um, feita apenas em 1ª marcha a cerca de 50 km/h. Neste instante alguns carros se acidentaram devido à freada ser extrema, mas o ‘mineirinho’ conseguiu escapar ileso e partiu em busca da sua 1ª vitória na categoria.

Pouco ameaçado durante a prova por Diogo Pachenki, o lugar mais alto do pódio parecia certo. Mas faltando apenas cinco voltas para o final, após liderar de ponta a ponta, Ítalo foi surpreendido por um problema mecânico nas engrenagens da 1ª marcha do câmbio, o que o deixou apenas com a 2ª marcha em diante.

Devido a pista do Velopark exigir o engate da 1ª em dois importantes trechos, o rival Diogo Pachenki conseguiu efetuar a ultrapassagem.

Mas quando todos da equipe já estavam conformados com a 2ª colocação, Ítalo conseguiu se acostumar com a deficiência do câmbio e conseguiu levar no braço o carro 31 a vitória, com uma emocionante e disputada ultrapassagem a poucos metros da linha de chegada.

 

Confira o depoimentosdos pilotos a respeito da corrida:

 

Ítalo Silveira carro #31: O Velopark pode ser considerado como a Disney do mundo do automobilismo, pois é uma estrutura espetacular que agrega de tudo, desde os karts até as provas de arrancada. O único defeito que impede do autódromo ser perfeito é o tamanho da pista, que mede apenas dois mil metros, e com 40 carros fica complicado, sendo uma corrida bastante tumultuada. Na classificação também foi muito difícil achar um espaço para conseguir uma boa volta, mas a minha equipe prestou atenção na pista e graças a Deus achamos um espaço para a volta que nos deu a pole.

 

O traçado se mostrou muito técnico, mesclando trechos de alta e baixa velocidade. As duas retas longas seguidas de freadas extremamente fortes exigiram o máximo do carro e dos pilotos. Inclusive fui prejudicado por uma falha mecânica que me custou a liderança, mas com um pouco de habilidade e com muita vontade de vencer, consegui ultrapassar o Pachenki no final da prova e dedico esta vitória aos meus patrocinadores, a minha família e a todos da minha equipe.

 

Leandro Romera carro #88: O Velopark é uma super estrutura e fiquei absolutamente impressionado com a grandeza do projeto. A pista de fato é um pouco diferente que os circuitos convencionais, sendo que na verdade ela lembra em muito os circuitos de rua, mas é extremamente empolgante e a cada volta é possível sentir as diferença e procurar por um traçado que facilite a tocada.

 

Sobre a minha desclassificação, infelizmente esta se deu por um erro na interpretação do regulamento que orienta a construção do extrator de ar traseiro, somada a intolerância por parte da equipe de comissários da competição.

 

Independente disso tivemos um final de semana muito bom, e o carro sempre esteve muito competitivo. Posso afirmar que o restante da temporada será muito bom, pois encontrei um acerto que me agrada muito e a equipe está muito comprometida.

O Ítalo para mim está de parabéns pelo resultado obtido e agora é aceitar o que aconteceu, pois temos ainda mais sete etapas pela frente.

Escrito por Arthur Gomes Rossetti

Fonte: Jornal Oficina Brasil

DSC00658.JPG

O ICEMAN DO TIME

 

BY WANESSA ARAUJO /  SEXTA-FEIRA, 30 ABRIL 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

A 5ª etapa da Copa Montana não poderia ser melhor para a Equipe RS RACING. Os pilotos Italo e Leandro,  largando de trás, se tivessem segurado o ímpeto poderiam ter conquistado talvez o 7° e 8° lugar, respectivamente considerando que, Thiago Riberi, carro 90, estava todo o tempo atrás do Leandro e chegou em 9° lugar. Ambos saíram de 20° e 22° lugar.

 

Mas, para uma equipe estreante na Copa Montana de Stock Car,  já conseguimos bons resultados. Com 44 pontos conquistados a equipe está em 7 lugar no Campeonato. O que não coloca em “xeque” o profissionalismo das pessoas envolvidas e muitos menos a capacidade técnica, mas sim a falta de recursos para tomadas de decisão.

 

Ningúem, muitos menos quem investe, gosta de perder, mas, é preciso entender os fatos.

 

Para os leigos, a Copa Montana é hoje uma das Categorias mais competitivas do Automobilismo Brasileiro. Dentre as 21 equipes que participam, 7 correm também pela Categoria principal Copa Caixa e outras 14 a mais de 5 anos disputando a categoria.

 

Na Copa Montana, só pode treinar nos dias do evento, logo temos pouco tempo para acerto do carro. São 45 minutos na sexta de manhã e 45 minutos na sexta a tarde. São 30 minutos no sábado de manhã e 1 hora de classificação (com limitação de no máximo 18 voltas). E no domingo mais 40 minutos de corrida.

 

Fácil?? Nem um pouco!!! Para nós, ainda é um ano de aprendizado. Mas é um aprendizado caro!!! A falta de patrocínio para efetuar o trabalho como tem que ser, atrapalha e com isso o resultado fica comprometido, nos dias de hoje se ganha corrida na oficina. E ninguém melhor que nós sabemos disso.

 

O automobilismo é um esporte onde é preciso assumir as responsabilidades, ter foco no trabalho e sangue frio. Ser um IceMan de verdade para ter controle. E em nossa experiência internacional já vimos de tudo um pouco. Vocês não imaginam o que já vivenciei aqui e nos Estados Unidos.

 

Vimos por exemplo, uma Ferrari tirar o campeonato de Felipe Massa no abastecimento do grande prêmio de Valencia em 2009. Nem por isso deixou de ser a Ferrari ou mudaram o responsável pelo abastecimento.

 

Vimos também, Jimmy Jhonson perder 500 milhas de Daytona por deixar apagar o carro no Box, mas nem por isso trocaram de piloto. O importante é o respeito e a confiança pelo profissional.

 

Falando de confiança!!! A repórter do Diário de Guarulhos esteve visitando a equipe no autódromo de Interlagos (05/09) e durante uma entrevista com o chefe de Equipe Rui Salles, surgiu a seguinte pergunta: Como você executa seu trabalho no dia a dia; e como deposita tanta confiança no grupo”? Rui Salles respondeu: “É preciso confiar nas pessoas que trabalham com você, caso contrário, não estariam no time. Mas, a postura do líder tem que melhorar porque quando você tanto padece, tanto lembra que aborrece, portanto, após essa etapa será olho por olho e dente por dente.”

 

Fonte: Assessoria de Imprensa RS Racing

italo-silveira_02.jpg

Ítalo Silveira vence a segunda etapa.

 

BY WANESSA ARAUJO /  QUINTA-FEIRA, 22 ABRIL 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

Em disputa muito acirrada, marcada por toques, confusões e pelo carro de segurança presente na pista do Velopark, o mineiro Ítalo Silveira, da equipe RS Racing, se deu melhor. O piloto conquistou o primeiro lugar, e ficou com o título da segunda etapa da Copa Chevrolet Montana.

O mineiro faturou a vitória na volta final da prova, quando conseguiu se impor sobre Diogo Pachenki, da Nascar Motorsport. Ítalo e Pachenki fizeram um duelo muito acirrado na briga pelo topo do pódio. Pachenki cruzou em segundo, enquanto Lucas Finger, da AMG Motorsport, completou o pódio, faturando a terceira posição.

 

Como sempre acontece, a prova da Montana foi emocionante do começo até a volta final, nem a entrada do safety car tirou o seu brilho.

Logo na primeira volta uma confusão envolvendo os pilotos Wellington Justino, Júlio Campos, Cássio Homem de Melo,Thiago Riberi,Sharbel, Marco Cozzi e Denis Navarro manteve o carro de segurança na pista por sete voltas. Depois da relargada a disputa foi intensa até que teve mais duas paralisações rápidas e que numa dividida de curva na última volta desse a vitória para o mineiro de Betim.

 

Ítalo Silveira teve várias dificuldades nos primeiros treinos e somente no classificatório conseguiu dar uma volta rápida que lhe garantiu a pole position. “Eu vinha encontrando muitas dificuldades para achar o acerto do carro e não conseguia completar uma boa volta. Fomos ajudados por outras equipes e no classificatório fiz uma boa volta e consegui largar na pole”, finalizou.

 

Fonte: StockCar

 

 

 RS Racing Drive To Performance 

33501_114784198572552_5859376_n.jpg

Ítalo Silveira sai na frente na 2a etapa.

 

BY WANESSA ARAUJO /  QUARTA-FEIRA, 21 ABRIL 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

 

Nova Santa Rita (RS) – A equipe RS Racing acertou a mão e colocou seus dois pilotos na primeira fila no grid da segunda etapa da Copa Chevrolet Montana, que acontece no Autódromo Internacional do Velopark. Ítalo Silveira fez o melhor tempo no treino classificatório e vai largar na pole position. O piloto marcou o tempo de 55seg007 para os 2.162 metros do circuito gaúcho.  Ao seu lado estará seu companheiro de equipe, Leandro Romera, que fez 55seg187. Na terceira colocação do grid está o paranaense Lucas Finger, da AMG Motorsport, que marcou 55seg219.

 

Ítalo saiu para o classificatório com um jogo de pneus novos, e conseguiu o melhor tempo logo no início, no entanto, foi superado, mas já esperava por isso. Quando faltava dez minutos para o fim do treino, o piloto da RS Racing foi novamente para o circuito do Velopark, e com pista limpa, faturou a pole, e desta vez, em definitivo.

 

Para o mineiro, Ítalo Silveira, a pole position deste sábado é resultado do trabalho e da dedicação da equipe, que tem se empenhado para que o carro tenha as melhores condições. “A gente vem trabalhando muito e há algum tempo nesse carro. Desde janeiro estamos buscando o acerto ideal e por isso, esse resultado comprova que estamos no caminho certo”, analisou.

 

Ítalo também falou sobre os tempos dos treinos livres, quando não conseguiu bons resultados. “Na quinta-feira eu só consegui dar uma volta. Nos treinos da manhã de ontem eu andei apenas 10 minutos porque meu carro quebrou, somente na sexta-feira à tarde é que consegui sentir a pista e fiz o sexto tempo (55.722). Hoje de manhã eu não saí para treinar” lembrou.

 

O classificatório foi marcado por muitas trocas de posições, já que a Copa Montana tem como característica a grande igualdade dos tempos e com isso uma disputa muito forte pela primeira posição.

 

A segunda etapa da Copa Montana fecha a programação do final de semana de inauguração do circuito do Velopark com largada prevista para as 13 horas com transmissão ao vivo pela RedeTV.

 

Resultado do treino classificatório:

1º Ítalo Silveira – 55.007
2º Leandro Romera – 55.187
3º Lucas Finger    -55.219
4º Diogo Pachenki – 55.286
5º Galid Osman     – 55.330
6º Eduardo Leite – 55.358
7º Alceu Feldman – 55.444
8º Wellington Justino – 55.503
9º Júlio Campos – 55.547
10º Cadú Pasetti – 55.551
11º Douglas Soares – 55.558
12º Aldo Piedade – 55.577
13º Rafael Daniel – 55.580
14º Sérgio Jimenez – 55.594
15º Denis Navarro – 55.633
16º Marcelo Tomasoni – 55.699
17º Thiago Riberi – 55.705
18º João Paulo Mauro – 55.721
19º Serafim Jr –     55.740
20º Cássio Homem de Mello – 55.755
21º Marco Cozzi – 55.810
22º Henrique Assunção – 55.857
23º Anderson Faria – 55.976
24º João Pretto     – 56.011
25º Edson do Valle – 56.030
26º Sérgio Ramalho – 56.111
27º Rodrigo Navarro – 56.150
28º Pedro Boesel – 56.205
29º Julyano Silveira – 56.413
30º Carlos Kray – 56.444
31º Sharbel – 56.469
32º Matheus Stumpf – 56.651
33º Thiago Penido – 56.660
34º Marcelo Cesquim – 56.943
35º Fabricio Lançoni – 57.057
36º Hybernon Cisne – 57.810

 

A Copa Chevrolet Montana 2010 é uma realização da Vicar Promoções Desportivas, com supervisão da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA). O patrocínio é da Chevrolet.

 

Fonte: StockCar

 

 

 RS Racing Drive To Performance 

Imagem-035.jpg

Erro tira Romera da etapa do Velopark

 

BY WANESSA ARAUJO /  TERÇA-FEIRA, 20 ABRIL 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

 

A equipe RS Racing instalou na Montana n° 88 o estrator utilizado por Romera na temporada 2009, quando corrida na Copa Vicar. Essa prática é legal, porém a peça precisa ser adaptada com as dimensões desse ano, ou seja, 2 cm menor que a utilizada na última temporada.

 

“Foi uma pena, a equipe não se atentou a esse fato e foi desclassificado. Essa peça não muda em nada o ganho de rendimento do carro, mas fazer o que, está no regulamento e temos que aceitar”, comentou o frustrado piloto.

 

A vitória da segunda etapa da Copa Chevrolet Montana ficou com o companheiro de equipe de Romera, o mineiro Ítalo Silveira. “O Ítalo fez uma excelente corrida! A equipe RS Racing está de parabéns, e o que aconteceu comigo não tira nenhum mérito deles! Foi uma falta de atenção, paciência! Agora vamos para o Rio de Janeiro que o ‘bicho vai pegar’ lá!”, finalizou Leandro. Completaram o pódio Diogo Pachenki e Lucas Finger.

 

Com a vitória, Ítalo sobe na classificação empatado na 2ª colocação com Julio Campos, ambos somando 25 pontos. O líder é Diogo Pachenki com 40 pontos.

 

A próxima etapa acontece no Rio de Janeiro no dia 23 de maio.

 

fonte: www.raceweb.com.br

 

 

 RS Racing Drive To Performance 

DSC00679.JPG

Equipe RS Racing coloca seus dois pilotos na frente para a 2ª etapa da Copa Chevrolet Montana no novo autódromo do Velopark (RS).

 

BY WANESSA ARAUJO /  SEGUNDA-FEIRA, 19 ABRIL 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

 

(São Paulo, SP) – O treino que definiu o grid de largada para a 2ª etapa da Copa Chevrolet Montana garantiu muita emoção do começo ao fim. Dos 36 carros participantes da categoria, 23 andaram no mesmo segundo, e o pole position só foi conhecido nos minutos finais.

No novo circuito gaúcho da categoria, Leandro Romera (Glan Data / Grupo Candinho / BullFlex / Matic Instrumentos Musicais) da RS Racing dominou a maior parte do treino. Restando menos de 20 minutos para o final do classificatório, Lucas Finger conseguiu superar o piloto de São Caetano do Sul, cidade do ABC Paulista.

Romera voltou à pista cravando mais uma vez o melhor tempo do treino; quando a equipe RS Racing comemorava o resultado do experiente piloto e a terceira colocação do jovem mineiro Ítalo Silveira fechou com chave de ouro o trabalho da equipe superando seu companheiro de por 0s18 e dando a dobradinha no grid para a RS Racing.

“A equipe RS Racing está de parabéns! Andamos muito bem desde o primeiro dia aqui, mas continuamos evoluindo. O resultado foi ótimo, parabéns ao Ítalo pela pole”, disse Leandro. “A pista é muito técnica, e teremos que ter muita atenção durante toda a prova desse domingo. Esperamos fechar a etapa com um ótimo resultado para a equipe, e quem sabe conquistar esse primeiro lugar do meu companheiro na bandeira quadriculada”, finalizou o piloto brincando com seu companheiro de time.

Nesse domingo a corrida no novo autódromo Velopark localizado no município de Nova Santa Maria (RS) acontece a partir das 13h com transmissão ao vivo pela Rede TV, SpeedChannel e RaceTV.

 

Fonte: www.racetv.com.br

 

 

 RS Racing Drive To Performance 

DSC00682.JPG

Em dobradinha da RS Racing, Romera larga em 2° no Velopark.

 

BY WANESSA ARAUJO /  SEGUNDA-FEIRA, 19 ABRIL 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

Equipe RS Racing coloca seus dois pilotos na frente para a 2ª etapa da Copa Chevrolet Montana no novo autódromo do Velopark (RS).

O treino que definiu o grid de largada para a 2ª etapa da Copa Chevrolet Montana garantiu muita emoção do começo ao fim. Dos 36 carros participantes da categoria, 23 andaram no mesmo segundo, e o pole position só foi conhecido nos minutos finais.

 

No novo circuito gaúcho da categoria, Leandro Romera (Glan Data / Grupo Candinho / BullFlex / Matic Instrumentos Musicais) da RS Racing dominou a maior parte do treino. Restando menos de 20 minutos para o final do classificatório, Lucas Finger conseguiu superar o piloto de São Caetano do Sul, cidade do ABC Paulista.

 

Romera voltou à pista cravando mais uma vez o melhor tempo do treino; quando a equipe RS Racing comemorava o resultado do experiente piloto e a terceira colocação do jovem mineiro Ítalo Silveira fechou com chave de ouro o trabalho da equipe superando seu companheiro de por 0s18 e dando a dobradinha no grid para a RS Racing.

 

“A equipe RS Racing está de parabéns! Andamos muito bem desde o primeiro dia aqui, mas continuamos evoluindo. O resultado foi ótimo, parabéns ao Ítalo pela pole”, disse Leandro. “A pista é muito técnica, e teremos que ter muita atenção durante toda a prova desse domingo. Esperamos fechar a etapa com um ótimo resultado para a equipe, e quem sabe conquistar esse primeiro lugar do meu companheiro na bandeira quadriculada”, finalizou o piloto brincando com seu companheiro de time.

 

Nesse domingo a corrida no novo autódromo Velopark localizado no município de Nova Santa Maria (RS) acontece a partir das 13h com transmissão ao vivo pela Rede TV, SpeedChannel e RaceTV (www.racetv.com.br).

 

Confira o grid de largada:

 

1º Ítalo Silveira – 55.007
2º Leandro Romera – 55.187
3º Lucas Finger -55.219
4º Diogo Pachenki – 55.286
5º Galid Osman – 55.330
6º Eduardo Leite – 55.358
7º Alceu Feldman – 55.444
8º Wellington Justino – 55.503
9º Júlio Campos – 55.547
10º Cadú Pasetti – 55.551
11º Douglas Soares – 55.558
12º Aldo Piedade – 55.577
13º Rafael Daniel – 55.580
14º Sérgio Jimenez – 55.594
15º Denis Navarro – 55.633
16º Marcelo Tomasoni – 55.699
17º Thiago Riberi – 55.705
18º João Paulo Mauro – 55.721
19º Serafim Jr – 55.740
20º Cássio Homem de Mello – 55.755
21º Marco Cozzi – 55.810
22º Henrique Assunção – 55.857
23º Anderson Faria – 55.976
24º João Pretto – 56.011
25º Edson do Valle – 56.030
26º Sérgio Ramalho – 56.111
27º Rodrigo Navarro – 56.150
28º Pedro Boesel – 56.205
29º Julyano Silveira – 56.413
30º Carlos Kray – 56.444
31º Sharbel – 56.469
32º Matheus Stumpf – 56.651
33º Thiago Penido – 56.660
34º Marcelo Cesquim – 56.943

 

Não classificados:
35º Fabricio Lançoni – 57.057
36º Hybernon Cisne – 57.810

 

 

 RS Racing Drive To Performance 

Imagem-011.jpg

Copa Montana: Leandro Romera é o segundo mais rápido no treino da manhã.

 

BY WANESSA ARAUJO /  DOMINGO, 18 ABRIL 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

Em treino atrasado devido à forte neblina, Romera crava o segundo melhor tempo do primeiro treino livre do dia.

 

O primeiro treino livre da Copa Chevrolet Montana sofreu atraso de 25 minutos devido à forte neblina que cobria a pista do Velopark em Nova Santa Rita (RS). Os 36 carros da categoria entraram na pista divididos em dois grupos, e no final o piloto da RS Racing Leandro Romera (Glan Data / Grupo Candinho / BullFlex / Matic Instrumentos Musicais) cravou o segundo melhor tempo do treino com 55s331, melhorando em 1s73 em relação ao tempo do treino extra da quinta-feira; o melhor do dia foi Cadú Passeti com o tempo de 54s970.

 

“Trabalhamos no acerto do carro e ainda podemos buscar mais algumas coisas no treino da tarde. Estou muito feliz com o rendimento do carro aqui no Velopark, toda a equipe RS Racing tem trabalhado duro e o resultado até o momento é muito positivo”, declarou Romera após o primeiro treino do dia.

 

A Copa Chevrolet Montana entra na pista para o segundo treino livre da sexta-feira as 13h30, com a duração de 45 minutos.

 

Confira os tempos do primeiro treino livre da Copa Chevrolet Montana:

 

1º Cadú Pasetti, 54.970
2º Leandro Romera, 55.331
3º Cássio Homem de Mello, 55.472
4º Marco Cozzi, 55.599
5º Júlio Campos, 55.634
6º Sérgio Jimenez, 55.652
7º Galid Osman, 55.652
8º Douglas Soares, 55.667
9º Marcelo Tomasoni, 55.723
10º Lucas Finger, 55.780
11º Wellington Justino, 55.823
12º Thiago Riberi, 55.834
13º Aldo Piedade, 55.902
14º Alceu Feldman, 55.924
15º Rafael Daniel, 55.947
16º Eduardo Leite, 55.986
17º João Pretto, 56.094
18º Julyano Silveira, 56.130
19º Diogo Pachenki, 56.370
20º Henrique Assunção, 56.474
21º João Paulo Mauro, 56.484
22º Serafim Jr, 56.602
23º Sérgio Ramalho, 56.637
24º Pedro Boesel, 56.729
25º Anderson Faria, 56.782
26º Rodrigo Navarro, 57.111
27º Denis Navarro, 57.142
28º Carlos Kray, 57.326
29º Ítalo Silveira, 57.420
30º Sharbel, 57.427
31º Hybernon Cisne, 57.509
32º Fabricio Lançoni, 57.692
33º Thiago Penido, 58.041
34º Marcelo Cesquim, 58.089
35º Edson do Valle, 1:00.132
36º Renato Rattes, 1:02.164

 

Fonte- Equipe SpeedRacing.com.br

 

https://www.facebook.com/rsracing.rs

 

 

 RS Racing Drive To Performance 

DSC00666.JPG

Mesmo com problema no câmbio, Romera sai feliz de Curitiba.

 

BY WANESSA ARAUJO /  SÁBADO, 17 ABRIL 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

 

Corrida do piloto do ABC Paulista foi fantástica, mas problema com o câmbio faltando duas voltas para o fim o fez perder seis posições.

 

Depois de não conseguir participar dos treinos coletivos na quinta e passar por dificuldades nos treinos livres da sexta-feira, as 16 voltas do classificatório foram as únicas completadas pelo piloto Leandro Romera (Glan Data / Grupo Candinho / Jornal Oficina Brasil / BullFlex) da RS Racing.

 

Marcando na 9ª posição, Romera ainda ganhou mais uma devido à desclassificação do piloto Marco Cozzi que havia marcado o 2º melhor tempo, mas seu carro estava abaixo do peso mínimo exigido. E foi partindo da quarta fila que o piloto da Montana n° 88 foi para o tudo ou nada, mesmo sabendo que um problema no câmbio foi conhecido no final do sábado.

 

Logo na largada Romera entrou na briga pelas cinco primeiras posições, mas devido a confusão foi obrigado a tirar o pé: Fábio Fogaça rodou na sua frente e por muito pouco não o acerta em cheio; assim  o piloto perdeu muitas posições caindo para o 11º lugar.

Em duas voltas Leandro fazendo uma excelente corrida briga por posições com Pedro Boesel e Douglas Soares, já subindo para o 9º lugar. O companheiro de equipe de Romera, o mineiro Ítalo Silveira se envolvendo em um toque com Sérgio Jimenez causou a entrada do Safety Car; Leandro assim subiu para a 7ª colocação.

 

Na relargada, o pole position e líder da prova até então, Eduardo Leite teve problemas com o pneu traseiro esquerdo furado, o que deu mais uma posição para o piloto da RS Racing, o 6º lugar na prova.

 

Faltando duas voltas para a bandeira quadriculada, o problema com o câmbio voltou a aparecer, o que fez o piloto perder seis posições e terminar a prova em 12º lugar. Mesmo assim Romera está feliz com o resultado conquistado em Curitiba e otimista para a temporada: “Para quem chegou aqui cheio de problemas, a corrida foi ótima. Uma pena restando apenas duas voltas o câmbio apresentar problemas, mas foi excelente a prova”, declarou o piloto após a prova. “Quero agradecer a todos que torceram por mim aqui, minha família, Deus… um agradecimento especial ao Fernando do Corinthians, ao Arthur do Jornal Oficina Brasil e também ao Rui Salles e toda equipe RS Racing que trabalhou duro para me dar esse carro competitivo nesse final de semana. Vamos estar ainda melhores no Velopark no Rio Grande do Sul”, finalizou Romera mostrando muito otimismo para a próxima etapa.

 

A vitória ficou com o campeão da Pickup Racing de 2009, Julio Campos, seguido pelo convidado de honra da Copa Chevrolet Montana, Nelson Ângelo Piquet. Diogo Pachenki, campeão da Stock Light em 2004 fechou o pódio.

 

A segunda etapa da Copa Chevrolet Montana acontece no dia 02 de maio em Nova Santa Rita (RS) no Autódromo Velopark.

 

Confira o resultado final da etapa de Curitiba:

1) Júlio Campos 40:33.927
2) Nelson Piquet – 40:36.249
3) Diogo Pachenki – 40:42.411
4) Rafael Daniel – 40:42.785
5) Wellington Justino – 40:44.284
6) Douglas Soares – 40:46.826
7) Pedro Boesel – 40:48.035
8) Sérgio Jimenez – 40:49.136
9) Cássio Homem de Mello – 40:50.222
10) Cadú Pasetti – 40:50.644
11) Lucas Finger – 40:52.576
12) Leandro Romera – 40:53.299
13) Aluizio Coelho – 40:53.919
14) Julyano Silveira – 40:54.145
15) Denis Navarro – 40:59.599
16) Marcelo Tomasoni – 41:04.065
17) Rodrigo Navarro -41:06.348
18) Sérgio Ramalho – 41:12.587
19) Fabricio Lançoni – 41:20.358
20) João Paulo Mauro -41:32.757
21) Henrique Assunção – 1:36.142
22) Franklin Trupel – 41:36.488
23) Anderson Faria – 42:00.064
24) Fábio Fogaça – 38:11.234
25) Galid Osman – 40:44.957
26) Ítalo Silveira – 41:10.759
27) Serafim Jr – 33:46.635
28) Marcelo Cesquim – 34:00.323
29) Eduardo Leite – 30:15.740
30)Thiago Riberi – 27:46.434
31) Edson do Valle – 27:52.396
32) Hybernon Cisne – 21:19.927
33) Aldo Piedade – 16:20.799
34) João Pretto – 11:54.713

 

Melhor volta: Júlio Campos – 1:25.892

 

Classificação do campeonato após a primeira etapa:

1) Júlio Campos, 25 pontos;
2) Diogo Pachenki, 16
3) Rafael Daniel 14
4) Wellington Justino, 12
5) Douglas Soares, 10
6) Pedro Boesel, 9
7) Sérgio Jimenez, 8
8) Cássio Homem de Mello, 7
9) Lucas Finger, 6
10) Leandro Romera, 5
11) Julyano Silveira, 4
12) Denis Navarro, 3
13) Marcelo Tomasoni, 2
14) Rodrigo Navarro, 1

 

Texto: Equipe SpeedRacing.com.br

 

www.facebook.com/rsracing.rsracing

 

 

 RS Racing Drive To Performance 

DSC00697.JPG

Acelere em 2010 com as picapes mais rápidas do Brasil

 

BY WANESSA ARAUJO /  TERÇA-FEIRA, 30 MARÇO 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

 

Escrito por Arthur Gomes Rossetti  

 

A equipe RS Racing chega com gás total para tentar vencer a Copa Vicar 

 

O jornal Oficina Brasil preparou para você leitor uma nova seção destinada a quem tem paixão pelo automobilismo, através do patrocínio da equipe RS Racing, de propriedade do empresário e chefe de equipe Rui Salles na Copa Vicar de PickUp Racing. Com mais de 30 anos de experiência no ramo das competições, Rui atuou nos mais variados campeonatos automobilísticos, com especial destaque para a Stock Car Light até o ano de 2009.

 

A cada edição será possível sentir na pele todas as experiências, dificuldades e glórias vividas pela equipe ao longo do disputado campeonato, que contará com a participação de 44 carros, sendo que o grid de largada do domingo comportará somente os 34 melhores na classificação do dia anterior, o que garantirá as mais emocionantes disputas, do início ao fim.

 

Sediada na cidade de Guarulhos na grande São Paulo, o galpão da equipe conta com mais de 2000m² para a preparação dos dois carros, pilotados por Ítalo Silveira (carro # 31) e Leandro Romera (carro # 88). No local atuam cerca de 6 mecânicos especializados em montagem, ajustes e preparação dos componentes utilizados nos bólidos.


Segundo o próprio Rui, “Como a organização da Stock Car não permite que façamos treinos por conta própria durante os dias que antecedem as corridas, o carro necessita sair daqui na quarta-feira prontinho, com todos os detalhes conferidos para que surpresas desagradáveis sejam evitadas após chegar no autódromo”.

 

Inclusão

 

O propósito da Copa Vicar de PickUp Racing é permitir que uma maior parcela de pilotos interessados em profissionalizar-se tenham a oportunidade de ingressar em uma competição de alto nível, para um dia pleitear alcançar a principal categoria nacional, a Copa Nextel de Stock Car.

 

Atualmente para participar de todas as etapas do campeonato, os custos operacionais da equipe tais como o carro, motor, pneus, despesas de locomoção e hospedagem, alimentação, entre outras, costumam girar em torno de R$ 550 mil ao ano. Pode parecer muito, mas se comparado a principal categoria este valor representa ‘apenas’ cerca de 1/3!

Veja a seguir todos os detalhes dos novos carros da categoria.

 

Interior espartano, equipado apenas com itens indispensáveis a competição

Motor


Importado dos Estados Unidos pela JL Racing, empresa detentora dos direitos de comercialização dos motores, chassis e agregados, ele é fornecido sob comodato, ou seja, a equipe paga um aluguel para tê-lo durante a temporada. O custo gira em torno de R$ 6,5 mil ao mês. No final do ano ele deve ser devolvido para que seja efetuada a revisão geral.

 

O V8 junto com o reservatório de óleo externo (cárter seco)

 

Ele possui oito cilindros dispostos em ‘V’, 6,2 litros de capacidade cúbica, único comando de válvulas alojado no centro do bloco de ferro fundido, 16 válvulas acionadas por varão e balancim, cabeçotes de alumínio preparados em banco de fluxo, 8 velas, ignição eletrônica especial da marca MSD com módulo amplificador de centelha, pistões e bielas forjados.

 

Diferente da categoria principal que correrá com injeção eletrônica de combustível Bosch e álcool, os carros da Copa Vicar de PickUp Racing serão alimentados com gasolina, bomba de combustível elétrica de alto volume da marca Holley e carburador do tipo Quadrijet da marca Demon, de acionamento mecânico do 2º estágio. Com esta configuração o consumo é de aproximadamente 2,5 km por litro e dependendo do circuito este valor pode ser menor. Devido a Esso ser a patrocinadora e fornecedora do combustível, as equipes recebem gratuitamente 110 litros por etapa, quantidade esta suficiente para encher o tanque de 70 litros para a corrida e rodagem nos treinos livres e classificatórios.

 

A lubrificação é garantida pelo sistema de cárter seco (bomba e reservatório de óleo externos), que permite a fixação do motor mais próximo ao solo devido à altura do cárter ser menor, a contribuir para o melhor comportamento do carro em curvas. A eficiência no fornecimento dos 8 litros de óleo Mobil as partes móveis também passa a ser maior, com inferiores riscos de falta quando em situações de grande aceleração lateral, e a temperatura de trabalho do motor passa a ficar mais fácil de ser controlada, visto o grande volume auxiliar também no arrefecimento. A cada etapa o óleo e filtro são trocados preventivamente, assim como o líquido de arrefecimento, que requer um total de 22 litros.

 

Limitado pelo sistema de ignição a 5.600 rpm, o motor rende 350 cv de potência e 55 kgfm de torque, sendo que nenhuma modificação é permitida. Para evitar trapaças os motores saem da fábrica com lacre em todos os parafusos vitais a remoção dos componentes chave. Caso haja a necessidade de reparos, o motor deverá ser removido do carro e enviado a JL.

 

Os escapamentos acompanham o motor e são produzidos em aço inoxidável com saídas independentes por cilindro e fluxo otimizado. As descargas finais ficam localizadas nas laterais, abaixo das portas e não possuem abafadores.


A resistência do motor é tão grande que somente uma vez ao ano é necessário efetuar reparos corretivos profundos, como a troca de bronzinas, anéis, velas, entre outros itens.

 

Transmissão

Para garantir que toda a potência do motor seja 100% aproveitada, o sistema de transmissão recebe atenção especial, sendo composta por itens de alta resistência a começar pela embreagem, de origem americana e construção tripla, com discos de composto cerametálico (cerâmica), com diâmetro externo reduzido em comparação aos automóveis comuns e ‘chapéu chinês’. O acionamento é feito através de atuador hidráulico.

 

Apesar do porte, a caixa de marchas pesa apenas 20 kg

Quanto à caixa de marchas existem dois modelos liberados pelo regulamento. Elas são a Bertolotti nacional, produzida em Canoas – RS e a Saenz, feita pelos ‘hermanos’ argentinos, de maior custo (R$ 20 mil ante R$ 16 mil da brasileira). A utilizada pela RS Racing é a Bertolotti, de 5 velocidades a frente mais a marcha a ré, de engates seqüenciais e sistema ‘Powershift’, que consiste em um solenóide que efetua o acionamento automático da embreagem no momento de subir as marchas. Somente na hora de reduzir o piloto é obrigado a pisar no pedal da esquerda.

Independente do circuito, o regulamento não permite a troca das engrenagens no intuito de alongar ou encurtar a relação das marchas. Apenas a cada duas provas, a caixa é aberta para a manutenção preventiva, incluindo a troca dos rolamentos. O óleo por sua vez é trocado logo após o término de cada corrida.

Como a troca das marchas é seqüencial, ou seja, o piloto apenas puxa ou empurra a alavanca num pequeno curso, um mostrador digital é afixado bem ao centro do habitáculo que possui acabamento em placas de fibra de carbono nacionais, para informar através de um número qual marcha está engatada.

 

Embreagem de três discos garante que toda a força do motor seja aproveitada

O diferencial é de origem australiana, da marca Holinger Engineering. Para garantir maior vida útil do componente e diminuir o risco de quebra, os mecânicos preparadores da RS Racing adaptaram um sistema de cárter seco, com mangueiras tipo aeronáuticas, bomba elétrica externa e radiador de óleo. Isto permitiu a diminuição da temperatura interna da peça em 25%.

 

Freios, pneus e suspensão


Para conseguir frear com eficiência este nervoso bólido, o kit de freios é composto de disco Fremax ventilado com cubo flutuante nas quatro rodas, pastilhas Ecopads, servo freio e pinças americanas Wilwood de seis pistões cada. Todas as tubulações são do tipo aeronáuticas, de maior resistência a expansão no momento da frenagem, o que se traduz em maior velocidade de resposta dos freios. O Fluído utilizado é importado, especificação DOT 5.1. Tanto os discos como as pastilhas são fornecidos gratuitamente as equipes pelos respectivos fabricantes.

 

Discos e pastilhas ‘tamanho família’ equipam os carros da Copa Vicar

Os pneus são importados, da Goodyear, com 255 mm de largura e 10,5” de tala das rodas Binno aro 18”. O jogo com quatro unidades de pneus slicks (sem sulcos, para dias ensolarados) custa R$ 4,5 mil e os de chuva, com os sulcos esportivos custam R$ 5,2 mil. A calibragem é feita com gás nitrogênio, de maior estabilidade quando submetido a altas temperaturas e a cada etapa (considerando treino livre na sexta, classificação no sábado e corrida no domingo) cerca de três jogos poderão ser consumidos por cada um dos carros.

 

Os amortecedores Koni oferecem excelente desempenho nas curvas

 

Curiosidade: Para extrair o máximo desempenho do pneu, a temperatura ideal da superfície deve ser em torno de 185 a 190°C.

A suspensão possui braços triangulares independentes nas quatro rodas, com barras estabilizadoras na dianteira e traseira, de buchas esféricas metálicas e de ‘PU’. Os amortecedores importados Koni oferecem regulagem na pré-carga das molas americanas Eibach e seis regulagens da rigidez.

 

A direção possui um sensor que informa o ângulo de esterço do volante a cada curva, que no momento do treino auxilia o chefe de equipe a identificar em qual local será necessário melhorar. Ela é assistida hidraulicamente, do tipo pinhão e cremalheira.

 

Carroceria e chassis

A carroceria é produzida em fibra de vidro externamente e fibra de carbono internamente.
O chassis é de aço carbono em formato tubular, unido por solda tipo ‘Mig’.Assim como o motor, ambos são fornecidos pela JL Racing.

 

Imagem do carro parcialmente montado

Para garantir maior segurança e integridade física dos pilotos, o regulamento obriga que seja fixado na lateral esquerda o produto denominado ‘Impax’, que nada mais é do que uma forma em fibra de carbono com isopor de alta densidade, para amortecer impactos laterais. A peça custa R$ 3,6 mil. O cinto de segurança é da marca G-Force, com cinco pontos de fixação.

 

Sobre a RS Racing

Com mais de 15 anos de existência a RS Racing Drive To Performance, com experiência em competições automobilísticas em cenário nacional e internacional.

 

Para mais informações acesse www.rsracing.com.br ou mande um e-mail para contato@rsracing.com.br 

 

Fonte: Jornal Oficina Brasil

https://www.facebook.com/rsracing.rs

 

 

 RS Racing Drive To Performance 

Fotos-Ribeirão-Preto-194.jpg

Senhores liguem seus motores.

 

BY WANESSA ARAUJO /  SEGUNDA-FEIRA, 22 FEVEREIRO 2010 /  PUBLISHED IN RS RACING

 

Copa Chevrolet Montana de Stock Car 2010 está a toda, com muitas novidades para os amantes do automobilismo.

 

A categoria que chega para substituir a Stock Car Light promete disputas acirradas devido o alto equilíbrio dos carros e profissionalismo das equipes.

 

Segundo Rui Salles, proprietário e chefe de equipe da RS Racing Drive to Performance, “estamos trabalhando em busca do melhor acerto e resultados, porém com a nova bolha da Chevrolet Montana, somente após a primeira corrida dia 11 de abril saberemos se estamos no caminho certo e como será o desempenho dos concorrentes. A ajuda e conhecimento dos nossos mecânicos serão fundamentais para este objetivo.”

 

Em entrevista exclusiva, os pilotos Ítalo Silveira (carro # 31) e Leandro Romera (carro # 88) afirmam juntos que não vêem a hora de mostrar serviço a bordo dos bólidos. Veja abaixo em detalhes sobre as expectativas de cada um a respeito da temporada 2010!

 

Ítalo Silveira: “Assim como a equipe Prata MX Sports, em 2009 também estreei na Stock Car Light no mesmo ano e conseguimos um feito excepcional, pois  pontuamos em todas as provas que conseguimos terminar, fato este que nem sequer o campeão da temporada conseguiu alcançar.

 

Foi um ano excelente para nós e esperamos que agora em 2010 com a união das equipes Prata Tx Sports e RS Racing seja ainda melhor.

Vou correr ao lado de Leandro Romera, um piloto muito experiente e que me ajudou muito na minha corrida de estréia. Acredito que formaremos uma dupla muito forte este ano!

 

A Copa Montana de Stock Car é uma das categorias mais disputadas do mundo, por ser a que permite o acesso a principal, chamada agora de Copa Caixa de Stock Car. Para se ter uma idéia da competitividade, na minha estréia na categoria lembro que no treino classificatório fui apenas 1 segundo mais lento que o tempo da pole position, e mesmo assim fiquei apenas com a 29ª colocação no grid de largada!

 

Este vai ser um ano tão disputado quanto os anteriores, mas acredito muito no meu potencial, no do Leandro e em nossa equipe, a RS.”

 

Leandro Romera: “O nível da concorrência será altíssimo e acredito que até o meio do campeonato as disputas serão muito acirradas e limpas. Após a 5ª etapa só Deus sabe o que pode acontecer, visto os pilotos que estiverem na disputa pelo título não querer abrir mão de posições favoráveis dentro da pista.

 

A nossa equipe, a RS Racing Drive to Performance, este ano contará com dois carros no grid. Desta maneira as chances de alcançarmos bons resultados serão maiores, pois a interação entre eu e o Ítalo, juntamente com os sábios conselhos do Rui e o amadurecimento dos nossos mecânicos servirá de base para a eterna busca pelo aperfeiçoamento.

 

Devido à equivalência dos motores e estrutura dos carros, as equipes menores como é o caso da nossa, serão beneficiadas. Insisto que devemos ser conscientes e termos os pés no chão, pois competiremos contra equipes que possuem de dois a até quatro carros também na categoria principal e devido a isso, possuem maior verba para aquisição de peças de alto consumo, como pneus e outras liberadas pelo regulamento, tendo uma possível vantagem perante a nós.

 

As equipes que assinaram contrato este ano contemplam poucas da extinta fórmula Pick up Racing. Mesmo assim não há novatos e todos os participantes possuem algum histórico no mundo das corridas.

 

A bolha da Montana é mais moderna em comparação a antiga do Astra, com um desenvolvimento mais atual. Ela possui aletas especiais nos para choques, pára-lamas vazados para oferecer menor arrasto aerodinâmico, entre outras mudanças. Desta maneira as chances do carro ser mais rápido são grandes.”

 

Fonte: Jornal Oficina Brasil

 

https://www.facebook.com/rsracing.rs

 

 

 RS Racing Drive To Performance